Angolano combate Covid-19 na África Ocidental

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Um jovem angolano, residente na China, integra uma equipa que está a instalar laboratórios para testes de ácido nucleico e a providenciar treinamento técnico ao pessoal local no Gabão, Togo e Benin, no âmbito da luta contra a Covid-19.

Segundo destacou, no sábado e este domingo, a imprensa chinesa, escrita e televisiva, trata-se de Valdemar Tchipenhe, de 23 anos, licenciado em Biotecnologia pela Universidade Normal de Zhejiang, em 2018.

Logo após a conclusão dos seus estudos, o jovem foi contratado pela empresa chinesa “BGI Genomics”, que, depois de treinamento especializado adicional, pôs-lhe a trabalhar na sua sede, em Shenzhen.

Com o surgimento do novo coronavírus, o jovem angolano foi chamado, em Janeiro, a juntar-se à equipa de especialistas chineses, numa altura em que tinham de trabalhar mais de 12 horas por dia, porque a maioria dos técnicos de laboratório estavam em quarentena nas suas cidades de origem.

A BGI desenvolveu o kit de testes do tipo “RT-PCR” fluorescente em tempo real para detectar SARS-CoV-2, fabrica sistemas automatizados de preparação de amostras de alta precisão, o “MGISP-960”, e kits de extracção de RNA de amostras para geração de resultados e análises adicionais.

Valdemar Tchipenhe disse que foi contratado há cerca de um mês, para fazer parte da equipa científica chinesa que agora está implementar o projecto laboratorial “Huo-Yan” em alguns países da África Ocidental para a triagem e teste do SARS-CoV-2.

A equipa tem como missão específica instruir os especialistas dos referidos países, em como manusear os produtos e materiais biomédicos, através de aulas teóricas e práticas.

“O facto de ter saído de África, aprender biotecnologia na China e agora estar aqui ajudando outros povos africanos diante da pandemia do Covid-19, com o conhecimento que adquiri durante os meus seis anos de estudo e trabalho na China, faz-me sentir como se tivesse responsabilidades acrescidas sobre meus ombros”, diz o jovem, natural do Sumbe, em entrevista ao canal televisivo “China Vision”.

A equipa, composta por nove pessoas, já instalou dois laboratórios em Libreville e um em Lomé, com cada uma dessas unidades ter capacidade de realizar até cinco mil testes por dia e apresentar resultados em 24 horas. 

Na conversa que o jovem manteve este domingo, ao telefone, com o embaixador de Angola na China, João Salvador dos Santos Neto, o especialista angolano manifestou interesse de levar a sua experiência e a tecnologia da BGI a Angola, para apoiar os esforços do Governo no combate ao novo coronavírus. 

Valdemar Tchipenhe afirma que a quantidade de conhecimento que adquiriu ao longo desses anos foi “positivamente esmagadora” para si.

O jovem argumentou que, além de ter aprofundado os seus conhecimentos sobre o mundo das ciências médicas, aprendeu também lições valiosas de vida, como ter empatia pelas necessidades de outras pessoas e saber valorizar as habilidades de outras pessoas.

Ao responder uma questão sobre o seu possível regresso Angola, o jovem disse que, por enquanto, pretende continuar na China para continuar a “elevar” o seu grau académico e “adquirir” mais competências na sua área do saber.

“A melhor maneira de ampliar o meu horizonte é estar no exterior, aprendendo o máximo possível, expandir as minhas conexões e quando estiver melhor preparado, regressarei para dar a minha contribuição, mas “isso não é algo que pode ser realizado a curto prazo”, segundo disse. 

Valdemar Tchipenhe beneficiou de uma bolsa do Instituto Nacional de Gestão de Bolsas de Estudo (INAGBE), co-financiada pelo Conselho de Bolsas de Estudo da China (CSC), em 2014.

“Honestamente, eu não sabia muito sobre o mundo fora de Angola até ir para a China aos 17 anos. A China foi o primeiro país para o qual viajei. Foi também a primeira vez que saí da minha área de conforto”, afirmou.

Mesmo estando actualmente no Togo, o embaixador de Angola na China telefonou a Valdemar Tchipenhe para o encorajar e expressar o seu apoio pela dedicação e entrega nesse projecto humanitário, e convidou o jovem a visitar a Embaixada, tão logo regresse regresse de África. 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.