OMS mostra preocupação com Brasil mas diz que sistema de Saúde está a responder

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A Organização Mundial de Saúde (OMS) expressou hoje preocupação com a capacidade do Brasil de gerir o surgimento de novos casos de covid-19, mas indicou que, até agora, o sistema de saúde está a conseguir responder à situação.

O diretor do programa de Emergências Sanitárias da OMS, Michael Ryan, disse que algumas das 27 unidades federativas do Brasil “exercem bastante pressão sobre o sistema de cuidados intensivos”, com alguns locais em “estágio crítico”.

“Sim, a situação no Brasil é preocupante. Todas as 27 áreas estão afetadas. Há diferentes taxas de transmissão, ‘hotspots’ [pontos quentes] em áreas de alta densidade populacional”, afirmou Ryan.

Segundo a Universidade John Hopkins, o Brasil aproxima-se hoje das 41 mil mortes e totaliza mais 802 mil casos confirmados de covid-19, sendo o segundo país do mundo com maior número de infetados, depois dos Estados Unidos da América.

“De uma forma geral, o sistema de saúde está sob pressão, mas ainda está a conseguir lidar com o número de casos graves. Mas, com a continuação da transmissão de casos severos, veremos”, advogou o diretor.

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, um dos líderes mais céticos em relação à pandemia provocada pelo novo coronavírus, chegou a classificar de “absurdas” as medidas de isolamento social adotadas pelos governadores do país para conter o avanço da pandemia e vem apelando, diariamente, à reabertura da economia.

Bolsonaro tem também criticado fortemente a OMS, tendo ameaçado na semana passada retirar o país da organização, depois de acusar a entidade de atuar de forma “política”, “partidária” e “ideológica” num momento de pandemia de covid-19.

“Eu adianto aqui, os Estados Unidos saíram da OMS. Nós estudamos isso, no futuro… ou a OMS trabalha sem viés ideológico, ou saímos de lá também. Não precisamos de gente de lá de fora a dar palpite na saúde aqui dentro”, afirmou Bolsonaro à entrada do Palácio da Alvorada, a sua residência oficial em Brasília.

“Ou a OMS realmente deixa de ser uma organização política e partidária ou nós estudamos sair de lá”, acrescentou.

Bolsonaro aproxima-se assim da posição tomada pelo seu homólogo norte-americano, Donald Trump, que no final de maio afirmou que os Estados Unidos iriam deixar de financiar a OMS e “redirecionar os fundos para outras necessidades urgentes e globais de saúde pública que possam surgir”.

“O Trump cortou a grana [dinheiro] deles [OMS] e eles voltaram atrás em tudo. É só tirar a grana que eles começam a pensar diferente”, disse ainda Bolsonaro na passada sexta-feira, fazendo referência ao facto de a organização ter retomado estudos clínicos com hidroxicloroquina para tratamento da covid-19, fármaco fortemente defendido pelo chefe de Estado brasileiro no combate à pandemia.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 421 mil mortos e infetou mais de 7,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.