Juiz nomeado para processo de ex-conselheiro de Trump aponta abuso grave de poder

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O ex-juiz federal nomeado para analisar a moção que dispensa o ex-conselheiro presidencial Michael Flynn de acusações criminais, defendeu que o pedido pode ser negado por “evidências claras de abuso grave do poder”, foi hoje divulgado.

Segundo o ex-juiz distrital dos EUA, John Gleeson, citado pela Associated Press (AP), “o Governo envolveu-se numa conduta altamente irregular para beneficiar um aliado político do presidente”.

O Departamento de Justiça decidiu, no início de maio, arquivar o processo criminal contra o ex-conselheiro de segurança nacional do Presidente Trump, Michael Flynn, que se declarou culpado por ter mentido ao FBI, durante as investigações sobre a interferência russa nas eleições presidenciais dos EUA, em 2016.

A decisão de arquivamento do processo, por parte do Departamento de Justiça, deitou por terra o trabalho do procurador-especial Robert Mueller, que tinha acusado Flynn de mentir ao FBI sobre o caso que envolvia um alegado caso de ligação de Trump ao Governo russo.

A decisão final sobre a moção do Departamento de Justiça caberá ao juiz distrital Emmet Sullivan, que nomeou Gleeson, ou a um tribunal de justiça.

Flynn declarou-se culpado por ter mentido ao FBI e tornou-se um dos principais colaboradores do procurador Mueller, que investigava a interferência russa nas eleições presidenciais de 2016.

Nos documentos judiciais do processo arquivado, o Departamento de Justiça disse que retirava o caso “após uma análise ponderada de todos os factos e circunstâncias do caso, incluindo informações agora conhecidas”.

O Departamento de Justiça do Governo de Trump concluiu que as declarações de Flynn ao FBI aconteceram numa investigação que “não se justificava”, numa crítica direta à agência federal de investigação criminal.

O arquivamento provocou críticas da oposição democrata, que acusou o procurador-geral, William Barr, de estar ao serviço dos interesses do Presidente Donald Trump.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.