Recolhido recorde de veneno de cobra na Austrália que dá para matar 100 pessoas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Australian Reptile Park conseguiu recolher 3,32 gramas de veneno de uma cobra taipan-costeira numa única extração, o suficiente para matar 100 pessoas, estabelecendo um novo recorde mundial.

Essa quantidade de veneno extraído “é capaz de matar cem pessoas e excede a média de 1,8 gramas que se extrai a cada retirada”, explicou hoje fonte do parque, que é também um zoológico, em comunicado.

A cobra taipan-costeira, que geralmente vive no norte e no leste da Austrália e no sul da Papua Nova Guiné, é considerada uma das mais venenosas do mundo.

Os guardas florestais do parque conseguiram extrair das mandíbulas de “Whiplash”, como chamaram à cobra, um total de 3,32 gramas de veneno, excedendo assim o recorde mundial anterior de 3,1027 gramas, também alcançado com a mesma serpente.

O veneno deste espécime de cobra taipan-costeira (Oxyuranus scutellatus) servirá para o programa de produção de antídotos na Austrália, onde cerca de 2.000 pessoas são atacadas a cada ano, das quais cerca de 300 morrem.

“As cobras taipan-costeira são consideradas uma das mais venenosas do mundo. Elas são conhecidas pela sua agressividade e mordidas que causam um grande número de mortes a cada ano”, disse Zac Bower, supervisor do Australian Reptile Park.

A serpente taipan-costeira, que pode ter até três metros de comprimento e variar de cor castanho-amarelado, avermelhado a quase preto, geralmente alimenta-se de roedores, anfíbios e pequenos répteis e é essencial para o ecossistema australiano.

As três espécies conhecidas de cobras taipan na Austrália são: a taipan-costeira (Oxyuranus scutellatus), a taipan-do-interior (Oxyuranus microlepidotus), e uma terceira espécie descoberta recentemente, a taipan-das-cordilheiras-centrais (Oxyuranus temporalis).

A taipan-costeira tem duas subespécies: a taipan-costeira, da Austrália, e a taipan-da-papuásia (O. s. canni), encontrada na costa sul da Papua Nova Guiné.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.