Governo reforça controlo na fronteira com RDC para travar possíveis casos de covid-19

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

As constantes violações da fronteira fluvial do rio Chiloango, na comuna de Necuto, município de Buco-Zau, com a vizinha República Democrática do Congo (RDC), está a preocupar as autoridades locais devido ao número de casos de covid-19 naquele país.

A comuna de Necuto está localizada a cerca de 100 quilómetros a nordeste da cidade de Cabinda e a 90 quilómetros da sede de Buco-Zau,  fronteira fluvial através do rio Chiloango com a RDC.

Os cidadãos da RDC fazem-se passar por pescadores e caçadores para transporem a fronteira, colocando em risco as comunidades angolanas ao longo das fronteiras devido a contaminação do vírus da covid-19.

Em declarações à Angop, o administrador municipal, José Macaia, considera a situação preocupante devido ao facto de Buco-Zau fazer fronteira com o Congo Brazaville, através das localidades de Bata Linhunca, Tando Cacata estendendo até a comuna de Massabi, município de Cacongo.

Enalteceu a prontidão da Polícia de Guarda de Fronteira e das Forças Armadas Angolanas (FAA) para travar a entrada ilegal de cidadãos estrangeiros e misturar-se com as comunidades fronteiriças.

José Macaia apontou que foi criado um grupo de 104 jovens,  80 dos quais na sede da Vila de Buco-Zau, 14 na comuna de Necuto e 10 na comuna de Nhunca que tem a missão de sensibilizar as comunidades sobre para o cumprimento das medidas de prevenção contra a covid-19 e para denuncia de cidadãos estrangeiros ilegais.

As autoridades tradicionais e religiosas participam igualmente em acções de vigilância nas aldeias, denunciando a presença de estrangeiros ilegais que violam as fronteiras.

Buco-Zau conta com duas infra-estruturas para a recepção e primeiros tratamentos de eventuais casos de covid-19 com apoio de dois médicos cubanos, para além de outros técnicos nacionai. Na eventualidade de se registar algum caso positivo será imediatamente evacuado para a unidade de quarentena na localidade de Tchiazi, na cidade de Cabinda.

O município de Buco-Zau conta  com mais de 38 mil habitantes, cuja principal actividade é a agricultura, pesca e caça. Tem como recursos, a madeira, ouro, diamante, magnésio.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.