Joacine defende um “basta sonante” à violência policial

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Joacine Katar Moreira, deputada não inscrita, defendeu hoje que episódios de violência semelhantes ao de George Floyd, nos EUA, exigem o reforço do combate ao “racismo e neofascismo” e que a violência policial precisa de um “basta sonante”.

Em declarações à agência Lusa, Joacine considerou que o episódio de violência policial que levou à morte de George Floyd, nos Estados Unidos da América, à semelhança de muitos outros episódios de “violência racial” no mundo, têm sido os “expoentes mediáticos” de “males a combater”, como o “neofascismo, a violência racista e a misoginia crescente”.

Joacine Katar Moreira foi a primeira mulher negra a encabeçar uma lista de um partido a eleições legislativas e foi eleita em 2019, pelo Livre, partido que lhe retirou a confiança política, e mantém-se como deputada não inscrita desde fevereiro.

A atual deputada não inscrita entregou no parlamento um projeto de resolução que recomenda ao Governo a criação de uma campanha nacional antirracista veiculada pelos media e divulgada nas escolas, forças de segurança e instituições públicas, em colaboração com movimentos e associações antirracistas.

“A banalização da violência sobre as identidades e os corpos negros, o encarceramento  massivo da juventude negra e a violência policial normalizada, precisam de um `basta!´ sonante. Os negros e as negras americanas clamam por poder respirar, por poder viver, e o direito à vida é um direito sagrado que o racismo tem tolhido permanentemente e de forma secular”, considerou a deputada não inscrita.

Joacine confessou ainda que “têm sido dias muito duros, de muita emoção, revolta e consternação”.

Questionada sobre o racismo no contexto europeu, a deputada não inscrita defendeu que a Europa “é a mãe do colonialismo”, sendo que os EUA se distinguem pela sua “história de movimentos civis mais consolidada e com impacte internacional, o que também evidencia o quanto a Europa tem desvalorizado a luta antirracista e ocultado a sua implicação numa genealogia de extrema violência”.

“A recusa [da Europa] sobre um reconhecimento efetivo do racismo e respetiva miopia política têm funcionado contra uma história dos direitos humanos que está ainda por fazer”, vincou a deputada.

George Floyd, um afro-americano de 46 anos, morreu em 25 de maio, em Minneapolis (Minnesota), depois de um polícia branco lhe ter pressionado o pescoço com um joelho durante cerca de oito minutos numa operação de detenção, apesar de Floyd dizer que não conseguia respirar.

Desde a divulgação das imagens nas redes sociais, têm-se sucedido os protestos contra a violência policial e o racismo em dezenas de cidades norte-americanas, algumas das quais foram palco de atos de pilhagem.

Os quatro polícias envolvidos foram despedidos, e o agente Derek Chauvin, que colocou o joelho no pescoço de Floyd, foi acusado de homicídio em segundo grau, arriscando uma pena máxima de 40 anos de prisão.

Os restantes vão responder por auxílio e cumplicidade de homicídio em segundo grau e por homicídio involuntário.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.