Angola conta com novo centro para tratamento da pandemia do novo coronavírus

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Angola ganhou hoje uma nova unidade especializada de combate à covid-19, um investimento da petrolífera estatal Sonangol, de três mil milhões de kwanzas (4,5 milhões de euros), localizada em Viana, arredores de Luanda.

A apresentação da infraestrutura, uma extensão da clínica Girassol, com capacidade para 91 camas, 30 das quais para doentes em estado crítico, contou com a presença do Presidente de Angola, João Lourenço.

No final da visita, o chefe de Estado angolano considerou a unidade erigida em 27 dias “muito bem equipada”, quer em meios e quer em profissionais, numa área de 3.600 metros quadrados de um antigo centro logístico da Sonangol, composto por 32 naves, das quais três foram adaptadas para albergar a unidade hospitalar.

Na sua intervenção, o ministro dos Recursos Minerais, Petróleos e Gás de Angola, Diamantino de Azevedo, disse que aquela unidade sanitária está equipada com os meios para contribuir para o aumento da capacidade de resposta à pandemia da covid-19 no país.

Diamantino de Azevedo frisou que a Sonangol tem trabalhado em parceria com as autoridades sanitárias do país, através da Clínica Girassol, que redimensionou os seus serviços para dar resposta a tratamento de pacientes com covid-19, convertendo a sua clínica II num centro médico de rastreio e tratamento da pandemia.

As instalações, além da capacidade de internamento, dispõem de um serviço de laboratório, de imagiologia e outros serviços clínicos prestados por quadros técnicos.

O governante angolano salientou que na cooperação ainda com as autoridades sanitárias, a petrolífera angolana operacionalizou e disponibilizou o Hotel Suite Maianga, que conta com 50 suites, para albergar as equipas médicas e outros profissionais de saúde envolvidos no combate à pandemia.

“Na mesma senda, a Sonangol tem apoiado o plano de contingência da pandemia através de outras ações, tais como o fornecimento de combustível aos governos das 18 províncias do país e ao Ministério da Energia e Águas, para assegurar o abastecimento de água gratuita por camiões cisternas à área sensíveis, como hospitais, morgues, mercados, estabelecimentos prisionais, entre outros”, disse.

Para o futuro, sublinhou o ministro, está equacionada a utilização permanente do empreendimento para o tratamento de pacientes que habitam na sua proximidade.

Angola regista até hoje 86 casos positivos, quatro mortes e 21 recuperados.

No início da semana que finda, o Presidente angolano inaugurou um hospital de campanha, também localizado em Viana, da Zona Económica Especial, para atender casos de covid-19, com capacidade para 1.200 camas, munido de sistema de ventilação e atendimento, numa primeira fase, de 600 pacientes, adaptado para atender à pandemia.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.