Praga de gafanhotos na África Oriental põe 5 milhões de pessoas em risco de fome

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Quase cinco milhões de pessoas estão em risco de passar fome devido à quarta praga de gafanhotos do deserto que está a devastar as plantações da África Oriental, alertou hoje o Comité Internacional de Resgate (CIR).

A nova invasão destes insetos complica uma situação alimentar que já estava a ser agravada pela propagação da pandemia da covid-19, que dificulta a aplicação de medidas para atacar o problema, salienta o CIR num comunicado citado pela agência de notícias espanhola, a Efe.

A praga, que chegou à África Oriental há um ano, arrasou centenas de milhares de hectares de plantações em pelo menos oito países, mas o novo surto pode gerar prejuízos oito mil vezes maiores do que os que foram gerados no princípio deste ano.

“O gafanhoto do deserto é a praga migratória mais perigosa do mundo; um enxame de gafanhotos com um quilómetro quadrado é capaz de consumir a mesma quantidade de alimentos num dia que aproximadamente 35 mil pessoas”, explicou o diretor de Recuperação Económica desta organização humanitária, Barri Shorey.

“O pior surto em 70 anos junta-se com um ano de seca e inundações, e agora uma pandemia de covid-10 impede que as pessoas trabalhem e plantem, o que coloca um risco sem precedentes para a segurança alimentar”, concluiu o responsável.

Em março, o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas já tinha alertado que a praga de gafanhotos no Oriente de África desde o ano passado estava a aumentar e era a pior que o Quénia tinha enfrentado nos últimos 70 anos.

A praga estendeu-se depois a outros países como a Eritreia, Sudão do Sul, Tanzânia e Uganda.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.