Políticos desfavoráveis ao encerramento da EKA

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Entidades políticas no município de Cambambe, província do Cuanza Norte, manifestaram hoje, no Dondo, desfavoráveis a uma possível paralisação da cervejeira EKA, localizada nesta cidade.

Entrevistados pela Angop, a propósito do anúncio, em Maio último, de a empresa suspender a produção, a partir deste mês (Junho), devido ao aumento dos custos operacionais, classificaram a paralisação daquela unidade fabril como um retrocesso da região, que já foi considerada, na década de 80, o quarto parque industrial do país.

Para o secretário provincial da FNLA, Fernando Caculo, o encerramento da fábrica representa uma perda imensurável, dado que a EKA se tornou, ao longo da sua existência, num símbolo e numa marca inconfundível no circuito económico da província, em geral, e do município do Dondo, em particular.

Deplorou o facto que acontece numa altura em que os munícipes aguardam, com expectativa, pela entrada em funcionamento da fábrica Satec e são surpreendidos com o encerramento da última unidade de produção em funcionamento na circunscrição, depois do colapso, na década de 90, da antiga Satec, Vinelo e Pré-bloco.

Já o secretário municipal da UNITA, Péricles Dias, disse que uma possível paralisação desta unidade fabril poderá remeter ao desemprego centenas de operários e o consequente agravamento das condições de vida das respectivas famílias.

“A par da já difícil situação económica esperada das famílias, a decisão terá, igualmente, implicações na elevação da taxa de delinquência e da prostituição”, sublinhou.

Apesar de reconhecer o mau momento económico do país, Péricles Dias apelou ao Governo para encontrar um plano de salvação da empresa, por via da sua recapitalização, para se evitar a paralisação.

Já o segundo secretário municipal de Cambambe do MPLA, João António dos Santos, também não concorda com a paralisação, apelou à ponderação da direcção do grupo Castel – Angola, que detém a gestão da fábrica, de forma a salvar o emprego de centenas de jovens que constituem a maior parte da força de trabalho da EKA.

Referiu que, apesar do actual contexto económico mundial, tal medida contrasta com a promessa eleitoral do MPLA, aquando das eleições de 2017, de geração de 500 mil empregos para jovens, nesta legislatura.

“Entendemos que as empresas estão a viver momentos difíceis, mas os accionistas da fábrica teriam encontrado outra saída, dialogando com o Governo e apresentando a real situação da fábrica e não a sua paralisação”, sublinhou.

Já o secretário provincial do Cuanza Norte do Sindicato de Bebidas e Similares, Faustino Ganga, refutou o argumento da queda de rendimentos devido à baixa produção evocada pela direcção do grupo Castel, para justificar a suspensão das operações da unidade fabril.

Afirmou que, apesar do ambiente de negócios menos bom para todas as empresas, a EKA sempre teve lucros, embora aquém do esperado, mas que permitem manter o seu funcionamento.

Explicou que, neste momento, decorrem negociações entre o sindicato e a direcção da empresa, para exigir a observância das cláusulas de rescisão de contrato de trabalho por tempo certo.

Para os contratos ainda válidos, o sindicalista pede ponderação no seu tratamento, propondo que sejam readmitidos após a melhoria das condições económicas da fábrica.

Reconheceu que os seus filiados irão passar por momentos difíceis e, por isso, espera por uma solidariedade do grupo Castel, que deve continuar a investir para salvar a actual situação da fábrica.

De acordo com o director-geral da EKA, Marc Mayer, a paralisação da produção da cervejeira poderá mandar ao desemprego 160 trabalhadores dos 197 que laboram actualmente na empresa.

No total, serão dispensados 64 trabalhadores com contrato a tempo certo e 96 por tempo indeterminado, afectando 160 agregados familiares desses trabalhadores, para além de outros três mil empregos indirectos.

Inaugurada em 1972, a EKA cessou já as suas operações a 01 de Junho em curso, ao cabo de 48 anos de funcionamento ininterrupto.

Neste momento, está apenas a comercializar produtos de outras fábricas do grupo Caste-Angola.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.