Merkel denuncia “assassínio” racista e destaca polarização da sociedade norte-americana

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A chanceler alemã, Angela Merkel, denunciou hoje, numa entrevista televisiva, o “assassínio” do afro-americano George Floyd por polícias em Minneapolis, nos Estados Unidos, e o “racismo” que atinge, segundo a própria, uma “sociedade norte-americana muito polarizada”.

“Este assassínio de George Floyd é uma coisa terrível. O racismo é uma coisa terrível. A sociedade norte-americana está muito polarizada”, lamentou a chanceler, numa entrevista à televisão pública alemã ZDF.

“O racismo sempre existiu. E, infelizmente, esse também é o caso aqui (na Alemanha)”, acrescentou Merkel, afirmando “esperar” que os protestos se mantenham “pacíficos” nos Estados Unidos.

George Floyd, um afro-americano de 46 anos, morreu em 25 de maio, em Minneapolis (estado do Minnesota), depois de um polícia branco lhe ter pressionado o pescoço com um joelho durante cerca de oito minutos numa operação de detenção, apesar de Floyd dizer que não conseguia respirar.

Desde a divulgação das imagens da detenção de George Floyd nas redes sociais, têm-se sucedido protestos contra a violência policial e o racismo em dezenas de cidades norte-americanas (e também em cidades europeias, incluindo Berlim), algumas das quais foram palco de confrontos com a polícia e de atos de destruição e de pilhagem.

Em várias dezenas de cidades norte-americanas, incluindo em Washington e em Nova Iorque, foi decretado um recolher obrigatório por causa dos incidentes, existindo registo de milhares de detenções, de várias vítimas mortais e de vários agentes da polícia alvejados.

Na segunda-feira, numa declaração feita a partir da Casa Branca, Donald Trump afirmou ser o “Presidente da ordem e da lei”, ameaçando mobilizar as forças militares para acabar com a violência nas ruas.

Quando questionada pela televisão pública alemã ZDF sobre o estilo político do Presidente norte-americano, Donald Trump, Angela Merkel, no poder desde 2005, respondeu que, naquilo que lhe diz respeito, as suas “exigências na política eram sempre de tentar aproximar as pessoas, reconciliá-las”.

“Penso que o estilo político (do Presidente Trump) é muito controverso”, disse Merkel, que deixará a liderança do Governo alemão em 2021.

Acrescentou, no entanto, que trabalha “com todos os Presidentes eleitos em todo o mundo” e, “claro, com o Presidente norte-americano”.

“Tudo o que posso fazer, é esperar que possamos trabalhar juntos”, concluiu.

O chefe da diplomacia alemã, Heiko Maas, já tinha afirmado esta semana que os protestos contra a violência policial nos Estados Unidos, desde que fossem sempre pacíficos, eram “compreensíveis” e “mais do que legítimos”.

“Espero que os protestos pacíficos não conduzam a mais violência e quero também manifestar a esperança de que estes protestos tenham um efeito nos Estados Unidos”, disse, na mesma ocasião, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha.

Os quatro polícias envolvidos na detenção do afro-americano foram despedidos e acusados, e o agente Derek Chauvin, que colocou o joelho no pescoço de Floyd, foi acusado de homicídio em segundo grau, arriscando uma pena máxima de 40 anos de prisão.

Os restantes vão responder por auxílio e cumplicidade de homicídio em segundo grau e por homicídio involuntário.

A morte de Floyd ocorreu durante a sua detenção por suspeita de ter usado uma nota falsa de 20 dólares (18 euros) numa loja.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.