Twitter encerra conta ligada à supremacia branca que alegava pertencer à Antifa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Twitter encerrou uma conta que estava a ser gerida por um grupo pertencente à supremacia branca e que alegava pertencer ao movimento antifascista Antifa, uma vez que a página incitava à violência nos protestos nos Estados Unidos.

De acordo com um comunicado divulgado hoje pela rede social, citado pela agência espanhola Efe, a conta ‘@Antifa_US’, que tinha umas centenas de seguidores, “violava as políticas de manipulação da plataforma e ‘spam'” da tecnológica norte-americana, em particular, a “criação de contas falsas”, razão pela qual foi encerrada.

A empresa sediada em São Francisco, na Califórnia, explicou que esta conta era gerida por um grupo ligado à supremacia branca Identity Evropa e captou a atenção dos funcionários do Twitter depois de uma publicação que incitava ao controlo dos protestos através da violência.

“Vamos para as áreas residenciais, para os bairros brancos, conquistar o que é nosso”, explicitava a mensagem.

O ‘tweet’ também era acompanhado pela ‘hashtag’ “as vidas negras importam [#blacklivesmatter]”, para aumentar a credibilidade da página em relação à associação à Antifa.

A Antifa é um grupo conhecido pelas manifestações contra o fascismo e da luta antissistema.

Parte das ações deste grupo visam acabar com os grupos fascistas, racistas, neonazis e de extrema-direita, através de contramanifestações que defendem a igualdade de género e de defesa dos direitos da comunidade LGBT+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgéneros).

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, já tinha acusado a Antifa de ser a responsável pelos motins e pilhagens que decorrem em todo o país, incluindo em grandes metrópoles, como, por exemplo, Nova Iorque ou Washington, que surgiram na sequência dos protestos contra a morte do cidadão afro-americano George Floyd.

George Floyd, um afro-americano de 46 anos, morreu em 25 de maio, em Minneapolis (Minnesota), depois de um polícia branco lhe ter pressionado o pescoço com um joelho durante cerca de oito minutos numa operação de detenção, apesar de Floyd dizer que não conseguia respirar.

Desde a divulgação das imagens nas redes sociais, têm-se sucedido os protestos contra a violência policial e o racismo em dezenas de cidades norte-americanas, algumas das quais foram palco de atos de pilhagem.

Pelo menos quatro mil pessoas foram detidas e o recolher obrigatório foi imposto em várias cidades, incluindo Washington e Nova Iorque, mas diversos comentários do Presidente norte-americano, Donald Trump, contra os manifestantes têm intensificado os protestos.

Os quatro polícias envolvidos no incidente foram despedidos, e o agente Derek Chauvin, que colocou o joelho no pescoço de Floyd, foi detido, acusado de assassínio em terceiro grau e de homicídio involuntário.

A morte de Floyd ocorreu durante a sua detenção por suspeita de ter usado uma nota falsa de 20 dólares (18 euros) numa loja.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.