Moro fica proíbido de advogar por seis meses mas recebe salário de ministro

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A Comissão de Ética da Presidência brasileira proibiu hoje o ex-ministro da Justiça Sergio Moro de advogar por seis meses, decidindo que receberá um salário de ministro de 31 mil reais (5,3 mil euros) durante o período.

Segundo a imprensa local, Moro foi ainda autorizado a dar aulas e a escrever artigos para a imprensa durante o período de seis meses, a contar a partir da data em que se demitiu do Governo, em 24 de abril.

O impedimento de exercer atividades profissionais logo após a saída do executivo foi justificado pelo potencial conflito de interesses, pelo facto de ter tido acesso a informações privilegiadas no Governo.

Sergio Moro pediu demissão do cargo ministerial no final de abril, acusando o Presidente do país, Jair Bolsonaro, de tentativa de interferência na Polícia Federal, na sequência da demissão do ex-chefe da instituição Maurício Valeixo.

Segundo Moro, Bolsonaro teria exigido a troca do superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro para evitar investigações a familiares e aliados.

“O Presidente disse-me, mais de uma vez, expressamente, que ele queria ter uma pessoa do contacto pessoal dele, [para quem] ele pudesse ligar, [de quem] ele pudesse colher informações, [com quem] ele pudesse colher relatórios de inteligência. Seja o diretor [da Polícia Federal], seja um superintendente”, declarou Moro, quando pediu a demissão.

Desde então, Moro tem dado entrevistas e já foi ouvido pela Justiça contra Bolsonaro.

Moro foi um dos principais membros do Governo brasileiro e mantinha uma popularidade maior do que a do próprio chefe de Estado, com quem entrou em conflito algumas vezes, incluindo numa tentativa anterior de exoneração de Valeixo, em agosto do ano passado.

O ex-ministro ficou conhecido internacionalmente por liderar a Lava Jato, maior operação anticorrupção no Brasil, e por condenar o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Moro deixou a magistratura para se juntar ao Governo de Bolsonaro, mas vinha sofrendo desgastes consecutivos por divergências com o Presidente.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.