Aumentam casos de malária no Lobito

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

As autoridades sanitárias do município do Lobito, na província de Benguela, registaram, no primeiro trimestre deste ano, 31 mil e 974 casos de malária, mais 10 mil e 309 em relação ao igual período de 2019, soube hoje, terça-feira, a ANGOP.

Segundo o chefe de secção municipal da saúde pública no Lobito, Simão Tchissococua, dos 31.974 casos diagnosticados 17 resultaram em óbito, com uma redução de três mortes comparativamente aos meses de Janeiro a Março de 2019.

O responsável sanitário referiu que a causa principal do aumento dos casos de malária é o débil saneamento básico no município do Lobito, ou seja, as valas e a acumulação de lixo na cidade e periferia, o que leva a multiplicação do mosquito que provoca a doença.

Para colmatar a situação, Simão Tchissococua pediu à população no sentido de realizar  campanhas de limpeza nas ruas, assim como evitar amontoados de lixo e águas estagnadas.

De igual modo, no município da Catumbela, litoral da província de Benguela, os casos de malária tendem a aumentar nos últimos tempos. Em média, as autoridades sanitárias registam diariamente mais de 60 casos da doença.

De acordo com o chefe em exercício da repartição municipal da Saúde, Baltazar Gourgel Bettencourt, apesar da ligeira tendência de aumento, a mortalidade nas unidades hospitalares é muito baixa.

“O município não registou nenhum óbito por malária este ano, mas isto não é motivo para baixarmos a guarda”, frisou, salientando que as autoridades continuam a aconselhar a população a fazer o uso correcto do mosquiteiro, que protege da picada do mosquito.

Além da malária, a situação epidemiológica no município da Catumbela é ainda marcado por doenças respiratórias agudas, má nutrição e hipertensão arterial.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.