UNICEF quer atenção redobrada a criança

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) apelou, nesta segunda-feira, o Governo angolano a realização contínua de acções tendentes a evitar que à pandemia da covid-19 se transforme numa crise para os direitos da criança.

Numa mensagem sobre o Dia Mundial da Criança enviada à ANGOP, o UNICEF destaca a necessidade de se assegurar que as crianças e famílias tenham acesso à água e a condições de saneamento e higiene, acesso aos serviços básicos como a vacinação de rotina, consultas pré-natal, serviços de nutrição.

A instituição solicita também o Executivo ao contínuo apoio às famílias por meio de programas de protecção social protecção das crianças da violência, exploração e abuso.

A organização reitera a responsabilidade partilhada entre as famílias, sociedade civil, líderes políticos, parceiros privados, organizações e doadores internacionais para se garantir o apoio nrcessário ao bem-estar das crianças.

O UNICEF reconhece que desde a ratificação da Convenção sobre os Direitos da Criança (1990), apesar dos inúmeros desafios económicos, políticos e sociais, Angola tem dado passos significativos para assegurar o desenvolvimento integral da criança.

”Por meio de uma agenda nacional orientada pelos 11 compromissos com a criança, os líderes políticos, parceiros internacionais, parceiros privados e sociais partilham responsabilidades a fim de tornar a criança uma prioridade absoluta, lê-se na mensagem.

Conforme o documento, é urgente que todos os angolanos reafirmem o seu compromisso com a criança, por ser a única via para se evitar uma crise maior que a crise da Covid-19, destacando a urgência em se potencializar o capital humano e reforçar a descentralização e convergência de serviços sociais como factores estratégicos para o desenvolvimento da infância no país.

A organização destaca o apoio as acções de redução do impacto da pandemia, particularmente no reforço e expansão do Sistema de Protecção Social, com vista a redução dos efeitos do choque económico e social na vida das famílias.

Dados disponéveis indicam que as crianças constitutem a maioria da população angolana, sendo que mais de 50 por cento da população tem menos de 18 anos de idade.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.