Investigação vai estudar efeitos da BCG no absentismo dos profissionais de saúde nos PALOP

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Uma investigação liderada por Portugal e pela Dinamarca vai estudar os efeitos da vacina BCG na redução do absentismo dos profissionais de saúde de Cabo Verde, Guiné-Bissau e Moçambique durante a pandemia de covid-19.

O estudo, que arranca em finais de julho e tem duração prevista de 18 meses, será coordenado pelo Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT) da Universidade Nova de Lisboa e pela Universidade do Sul da Dinamarca, num projeto de investigação colaborativo com Cabo Verde, Guiné-Bissau e Moçambique.

Segundo a professora de Saúde Pública e Epidemiologia do IHMT, Inês Fronteira, a ideia é perceber se a vacina do bacilo Calmette-Guérin (BCG) contribui para diminuir a incidência ou a severidade dos casos de covid-19.

A vacina BCG, utilizada há décadas para prevenir as formas graves de tuberculose, possui efeitos protetores benéficos para outras infeções.

A investigação, idêntica a outras que estão a ser desenvolvidas na Europa e nos Estados Unidos, vai estudar esses efeitos nos profissionais de saúde de três países africanos lusófonos.

Os profissionais de saúde estão entre os mais afetados pela covid-19, colocando uma pressão acrescida sobre os serviços de saúde, particularmente em África, onde são em regra frágeis.

“Por um lado, ao serem afetados os profissionais de saúde, a capacidade de resposta dos sistemas de saúde diminui, o que os torna ainda mais frágeis, e por outro, os próprios profissionais de saúde, estando infetados, podem infetar aqueles que recorrerem aos serviços de saúde”, apontou a especialista.

O estudo vai abranger 1.200 profissionais de saúde, entre médicos, enfermeiros, auxiliares e administrativos em contacto directo com doentes, que serão separados em dois grupos, sendo administrada a vacina a um dos grupos e ao outro um placebo.

“O que vamos ver é se existem diferenças em termos de ausência ao trabalho por covid-19, mas também por outros motivos relacionados com a saúde, entre aqueles que fizeram a vacina e aqueles que não fizeram”, explicou Inês Fronteira.

Como todos os países do estudo têm uma tradição de vacinação contra a tuberculose, será igualmente tida em conta essa variante, disse a especialista, assinalando que a imunização pela BCG aumenta com os reforços da vacina.

“Quanto mais as pessoas levarem vacina, maiores parecem ser os efeitos não específicos. Esta é outra das coisas que nós também vamos estudar”, disse.

“Se de facto se demonstrar que a BCG tem um efeito não-específico de reduzir a incidência da infeção nos profissionais de saúde, reduzindo o absentismo, então, com uma medida relativamente segura, simples e barata podem-se prevenir os efeitos da covid-19 quer nos profissionais de saúde quer em populações para as quais possa ser escalada esta intervenção”, acrescentou.

O projeto “BCG vaccine to enhance non-specific protection of health care workers during the COVID-19 pandemic. A multicentre randomised controlled trial”, será financiado pelo Fundo para a investigação sobre a covid-19 na África Subsaariana da European and Developing Countries Clinical Trials Partnership (EDCTP).

O projeto será coordenado por Christine Benn, da Universidade do Sul da Dinamarca, e Inês Fronteira e Paulo Ferrinho, do Instituto de Higiene e Medicina Tropical, e contará com uma equipa de investigadores dos países africanos, liderada, em Cabo Verde por Isabel Araújo da Universidade de Cabo Verde, na Guiné-Bissau por Amabélia Rodrigues, e em Moçambique por Pedro Aide, do Centro de Investigação em Saúde de Manhiça.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.