Conselho de Cabinda pede a Portugal para mediar negociações de paz com Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Alto Conselho de Cabinda, que congrega vários movimentos e grupos, pediu hoje a Portugal que promova e sirva de mediador de negociações com o Governo de Angola para um acordo de paz naquele território independentista.

“O Alto Conselho de Cabinda exorta as autoridades angolanas, portuguesas, a União Africana e as Nações Unidas para que se dê início às negociações entre as autoridades angolanas e os representantes do povo de Cabinda, sem mais delongas a fim de restituir a liberdade e dignidade humana a este povo”, defendeu em comunicado.

A organização pede ainda “ao Governo português para, com base nas suas responsabilidades históricas, organizar e mediar as negociações entre o governo de Angola e o povo de Cabinda […] a fim de assegurar a credibilidade do processo e o respeito do acordo de paz que dele sair”.

O Alto Conselho de Cabinda foi criado em outubro de 2019 em Acra, no Gana, e resultou da convergência de movimentos políticos, grupos da sociedade civil e quadros de Cabinda.

Tem como objetivo a procura de “soluções pacíficas” para o conflito que afeta a região através do diálogo com Angola.

O Conselho diz ter já realizado encontros com várias organizações políticas da resistência cabindesa e partidos políticos angolanos, bem como com organizações de jovens, Igreja Católica e refugiados na República Democrática do Congo e cabindenses no estrangeiro.

No mesmo comunicado, a estrutura denuncia as condições de “abandono” e “vulnerabilidade” das populações das aldeias do interior do território, agravadas pela pandemia de covid-19.

“Esta pandemia constitui um ‘iceberg’ sobre as condições de vida precárias das populações”, refere o comunicado, acrescentando que estas não foram contempladas por “nenhum plano de mitigação do Governo local nem pelos diversos apoios da Organização Mundial de Saúde”.

“Esta situação tornou o sustento diário da família num pior inimigo que a própria pandemia”, sublinha o texto.

O conflito armado em Cabinda, província que reclama a independência de Angola, enclave rico em petróleo e separado do restante do país pela República Democrática do Congo (RDC), dura há mais de 40 anos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.