Ministro quer maior acompanhamento às beneficiárias do alívio económico

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O ministro da Economia e Planeamento, Sérgio Santos, defendeu nesta sexta-feira a necessidade do Instituto Nacional de Apoio às Pequenas e Médias Empresas (Inapem) prestar maior acompanhamento às empresas beneficiárias das medidas de apoio financeiro que suportam o “alívio económico”.

Sérgio Santos sublinhou ser importante controlar para que não haja desvios nas políticas traçadas, mas o acompanhamento é muito importante, porque há mudanças que nem sempre são atribuídas aos empresários, mas ao sistema financeiro.

O governante falava na cerimónia de assinatura do memorando de entendimento entre o INAPEM e operadores de comércio, distribuição e empresas fornecedoras de insumos no âmbito da implementação das medidas de apoio financeiro que suportam às medidas de alívio económico.

De acordo com o ministro, o acompanhamento pode permitir a criação de um plano de contingência para ultrapassar as dificuldades na implementação dos programas.

“É comum, nos apoios que o Governo dá, falhar uma componente muito importante e que depois determina que as políticas de apoio não atinjam o seu resultado – o acompanhamento. Os empresários em várias circunstâncias recebem apoios, mas estes merecem um acompanhamento”, sublinhou.

Frisou que o país precisa ainda de importar alguns insumos que não são produzidos em Angola, mas paulatinamente terá de reduzir essa importação.

Sérgio Santos convidou os empresários a montarem a indústria que vai permitir ter a mistura de fertilizantes em Angola, bem como montarem as unidades de multiplicação de sementes que vai nos permitir ter mais oferta de sementes e a indústria química que permitirá ter pesticidas.

Por outro lado, fez saber que com o protocolo a ser assinado com a Associação de Indústriais de Têxteis e Confecções serão criados um mínimo de mil empregos para mulheres, que terão acesso a uma máquina de costura, um apoio para capacitação e formação para produção de mais máscaras.

Já o Presidente do Conselho de Administração do Inapem, Arnito Agostinho, disse que a assinatura do memorando serve para formalizar a concessão de créditos, no qual o Instituto vai dar suporte às necessidades dos produtores.

Em relação aos insumos, assegurou que existem cerca de 10 empresas que aderiram ao programa e com elas vão trabalhar no sentido de disponibilizarem esses produtos no país.

De acordo com o responsável, existem cerca de 120 empresas apuradas que estão a merecer apreciação das reais necessidades, para posteriormente terem acesso à  linha de crédito no Banco de Poupança e Crédito (BPC) com cerca de 122 milhões de dólares, para a importação de outros produtos.

A propósito, o gestor da rede de supermercados Pomobel, Raul Mateus, manifestou a sua satisfação pelo financiamento ao sector.

“Acreditamos que vamos apresentar resultados positivos e vamos dar a resposta necessária que o governo precisa. Que haja impacto no fornecimento dos produtos de produção nacional para os consumidores internos”, augurou.

As medidas de apoio financeiro às empresas surgem com o objectivo de assegurar a manutenção mínima dos níveis de actividade das micro, pequenas e médias empresas do sector produtivo e, para isso, são alocados recursos totais de cerca de 488 mil milhões de Kwanzas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.