Moçambique recebe apoio de 457 milhões de euros e parceiros reorientam 183 milhões de euros

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Um conjunto de parceiros da comunidade internacional vai compensar o impacto da covid-19 em Moçambique com um apoio de aproximadamente 500 milhões de dólares (457 milhões de euros), anunciou hoje o grupo em comunicado.

O valor inclui “309 milhões de dólares [282 milhões de euros] do Fundo Monetário Internacional (FMI) e seus Estados-membros”, já anunciados em abril, “bem como programas planeados pelo Banco Mundial e pelo Banco Africano de Desenvolvimento”. 

Além daquele valor, os parceiros estão a “reestruturar os programas existentes e um adicional de 200 milhões [183 milhões de euros] será disponibilizado”, um apoio que “ajudará a amortecer o impacto de medidas essenciais de distanciamento social, além de permitir a participação contínua dos mais vulneráveis na economia”, lê-se no documento.

O ICCT (acrónimo inglês para International Community Covid-19 Task Force) é composto por representantes das Nações Unidas (UNRC), Banco Africano de Desenvolvimento (AFDB), Banco Mundial, embaixadores da União Europeia (UE), Irlanda e dos Estados Unidos da América (EUA), bem como as altas comissárias do Canadá e do Reino Unido.

Este grupo reuniu-se na segunda-feira com os ministros da Economia e Finanças, Indústria e Comércio, Género, Criança e Ação Social, e os vice-ministros dos Transportes e Comunicação e Negócios Estrangeiros e Cooperação, “para discutir a resposta moçambicana à covid-19”.

Os parceiros acolheram “com agrado” a “coordenação e parceria positivas” entre ministérios, incentivando as entidades governamentais “a usarem modelos que visam alcançar as populações mais vulneráveis e as áreas com maior incidência esperada” de infeção pelo novo coronavírus. 

O grupo “também saudou a prioridade do Governo Moçambicano à assistência humanitária a Cabo Delgado”.

“É nosso objetivo comum continuar nesse caminho, a trabalhar e cooperar com o Governo de Moçambique para garantir a implementação das medidas do estado de emergência”, refere o comunicado, no qual a comunidade internacional se diz “aberta para discutir mecanismos práticos de apoio”.

O novo valor (457 milhões de euros) e o que resulta da reestruturação de programas (183 milhões de euros) corresponde ao apoio pedido pelo Governo moçambicano aos parceiros, em Maputo, em 23 de março, para cobrir o buraco fiscal provocado pela pandemia de covid-19 no Orçamento de Estado (OE) de 2020, bem como para financiar o combate à doença e dar apoios para os mais pobres.

Moçambique regista 162 casos de infeção pelo novo coronavírus.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 328 mil mortos e infetou mais de cinco milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.