Rússia regista recorde de 135 mortes em 24 horas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A Rússia registou 135 mortes pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, um recorde, mas pela primeira vez o número de pessoas doentes diminuiu no país, segundo dados oficiais hoje divulgados.

Um total de 2.972 pessoas morreram entre os 308.705 casos detetados na Rússia desde o início da epidemia.

A situação parece estar a estabilizar-se, no entanto, de acordo com as autoridades, que pela primeira vez relatam uma queda no número de doentes (-633), com 220.341 pacientes em comparação com 220.974 no dia anterior.

No total, o número de pessoas consideradas curadas é 85.392.

Com 8.764 novos casos registados em 24 horas, a Rússia contabiliza o menor total diário desde o início de maio.

As autoridades russas sublinham há vários dias que o declínio da doença já começou no país.

O primeiro-ministro, Mikhail Mishustin, que reassumiu as suas funções no Governo na terça-feira após três semanas de convalescença devido à covid-19, declarou na segunda-feira que a Rússia “interrompeu o crescimento” das infeções.

Com 308.705 pacientes, a Rússia continua a ser o segundo país do mundo em número de contaminações, atrás dos Estados Unidos e à frente do Brasil, onde a pandemia está em forte progressão.

Os críticos, no entanto, questionam a realidade da baixa taxa de mortalidade em comparação à Europa Ocidental ou aos Estados Unidos, acusando a Rússia de subestimar o número de mortes.

As autoridades rejeitaram essas acusações, afirmando que só listam as mortes cuja causa principal é o novo coronavírus, quando outros países incluem neste relatório quase todas as mortes de pacientes que testaram positivo para o vírus.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 320 mil mortos e infetou quase 4,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,7 milhões de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.