Félicien Kabuga, “financiador do genocídio de Ruanda”, capturado em Paris

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Félicien Kabuga, considerado o “financiador do genocídio de Ruanda” e um dos principais acusados procurados pela justiça internacional, foi detido hoje de manhã nos arredores de Paris, de acordo com o ministério público francês.

Aos 84 anos, Kabuga, que residia numa região parisiense com uma identidade falsa, é acusado de ter criado as milícias Interhamwe, os principais braços armados do genocídio de 1994, que causou 800.000 mortes, segundo as Nações Unidas.

Em fuga desde 1994, Kabuga é alvo de um mandado de prisão do Mecanismo Internacional, a estrutura responsável pela conclusão do trabalho do Tribunal Penal Internacional para o Ruanda (ICTR).

Em 1998, esse tribunal acusou-o de conspiração para cometer genocídio, genocídio ou cumplicidade para cometer genocídio, incitamento direto e público para cometer genocídio e exterminação como crime contra a humanidade.

Em 06 de abril de 1994 era abatido, no aeroporto da capital do Ruanda, Kigali, o avião que transportava os presidentes ruandês, Juvenal Habyarimana, e burundês, Cyprien Ntaryamira, iniciando um conflito étnico no país que matou mais de 800.000 pessoas e provocou milhões de refugiados.

Cerca de 8.000 tutsis e hutus moderados foram mortos diariamente entre abril e junho de 1994 no Ruanda por membros da etnia hutu. Segundo a ONU, cerca de 800.000 pessoas foram mortas entre 07 de abril e 15 de julho, com os tutsis a serem acusados de se unirem aos rebeldes, que tinham entrado no norte do país, a partir de 1990, vindos do Uganda.

As autoridades fizeram listas de pessoas a assassinar e as forças armadas e as milícias hutu Interahamwe massacraram metodicamente as “inyenzi” (baratas em kinyarwanda, a língua oficial do Ruanda, a designação dada aos tutsis), assim como os hutus que se opunham ao partido de Habyarimana e os que se recusaram a participar na matança.

Homens, mulheres e crianças foram exterminados à catanada, nas ruas, nas suas casas e mesmo em escolas e igrejas onde pensavam estar em segurança, enquanto o Conselho de Segurança das Nações Unidas decidiu, em 21 de abril, reduzir os efetivos da Missão de Observação das Nações Unidas (MINUAR) por razões de segurança.

Em 04 de julho, a FPR assumiu o controlo de Kigali acabando com o genocídio, o que levou ao êxodo de centenas de milhares de hutus para o vizinho Zaire, atualmente a República Democrática do Congo.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.