Governo moçambicano anuncia “abate de 50 terroristas” em Cabo Delgado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

As Forças de Defesa e Segurança (FDS) de Moçambique abateram, nas últimas 48 horas, um total de 50 membros dos grupos que têm protagonizado ataques armados em Cabo Delgado (norte), anunciou hoje o ministro do Interior de Moçambique, Amade Miquidade.

A primeira incursão das FDS ocorreu na quarta-feira, quando um grupo de insurgentes foi surpreendido pelas autoridades em três viaturas, igual número de motorizadas e um camião cisterna, que terá sido roubado, na estrada que liga Chinda e Mbau, no distrito de Mocímboa da Praia, disse Amade Miquidade, numa declaração à imprensa em Maputo.

Nesta ocasião, durante os confrontos, terão sido abatidos 42 atacantes, além de terem sido destruídos as viaturas.

A segunda operação ocorreu na madrugada de hoje em Quissanga, quando um grupo insurgente tentou invadir novamente o distrito e, durante confrontações com as FDS, oito membros foram abatidos e outros, em número desconhecido, foram feridos.

“As Forças de Defesa e Segurança condenam de forma veemente as repugnantes e calamitosas façanhas dos assassinos, assim como a destruição indiscriminada de bens da nossa população”, afirmou Amade Miquidade, acrescentando que o objetivo dos grupos é “inviabilizar, através do terror, medo e desunião, a vontade dos moçambicanos de construírem uma nação próspera na base dos ricos recursos que abundam naquela parcela do país”.

Segundo o ministro, as incursões das FDS ocorreram após uma sequência de ataques dos grupos insurgentes registados nos distritos de Nangade, Quissanga, Mocímboa da Praia, Meluco, Muidumbe e Mueda, entre os dias 03 e 13 deste mês.

Destas incursões, as autoridades registaram um total de 11 aldeias destruídas, 16 cidadãos raptados e outros 14 desaparecidos, além da vandalização de linhas de comunicações móveis e de um hospital recém-construído em Awasse.

“As ações de terror não surgem de forma fortuita, carregam uma agenda externa, contra a qual apelamos à união de todo o povo moçambicano”, declarou Amade Miquidade, que exortou as comunidades locais a cooperarem com as autoridades.

Cabo Delgado, região onde avançam megaprojetos para a extração de gás natural, vê-se a braços com ataques de grupos armados classificados como uma ameaça terrorista desde outubro de 2017 e que já provocaram a morte de, pelo menos, 550 pessoas.

As autoridades moçambicanas contabilizam 162 mil afetados pela violência armada na província.

No final de março, as vilas de Mocímboa da Praia e Quissanga foram invadidas por um grupo, que destruiu várias infraestruturas e içou a sua bandeira num quartel das Forças de Defesa e Segurança.

Na ocasião, num vídeo distribuído na internet, um alegado militante ‘jihadista’ justificou os ataques de grupos armados no norte de Moçambique com o objetivo de impor uma lei islâmica na região.

Foi a primeira mensagem divulgada por supostos autores dos ataques que ocorrem desde outubro de 2017 na província de Cabo Delgado, gravada numa das povoações que invadiram.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.