Burundi ordena expulsão de representante da OMS

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Quatro especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) no Burundi, incluindo o seu representante no país, serão expulsos na sexta-feira, anunciou o Ministério dos Negócios Estrangeiros numa carta endereçada ao escritório africano da instituição.

O ministério “tem a honra de informar que as pessoas, cujos nomes estão listados abaixo, foram declaradas ‘persona non grata’ e que, portanto, devem deixar o território do Burundi antes de 15 de maio de 2020”, pode ler-se na carta consulta pela agência France Press.

De acordo com a agência de notícias francesa, trata-se de Walter Kazadi Mulombo, representante da OMS no Burundi, dois funcionários, Jean-Pierre Mulunda Nkata, coordenador da resposta ao novo coronavírus no país, e Ruhana Mirindi Bisimwa, chefe do programa de doenças transmissíveis, e o consultor, Daniel Tarzy, especialista em biologia molecular.

“É toda a equipa da OMS responsável pelo apoio ao Burundi na resposta à covid-19. (…). Foram acusados de interferência inaceitável na gestão do coronavírus “, explicou à AFP um funcionário do Burundi, sob anonimato.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Burundi tinha iniciado o processo de expulsão dos quatro funcionários no mês passado, mas depois suspendeu-o após conversações entre o chefe de Estado Pierre Nkurunziza e o diretor-geral da OMS, segundo fontes diplomáticas e administrativas.

Estas expulsões ocorrem alguns dias antes das eleições presidenciais e legislativas de 20 de maio.

O governo do Burundi é acusado pelos médicos e pela oposição de ocultar casos de covid-19.

Até agora, o país registou oficialmente apenas 27 casos positivos e uma morte.

O governo do Burundi, que considera que o país está protegido da covid-19 pela “Graça Divina”, decidiu fechar as fronteiras, mas não tomou medidas de contenção, ao contrário da maioria dos outros países da região.

Desde o início da campanha eleitoral, as reuniões políticas ocorreram normalmente e atraíram grandes multidões, sem que medidas reais de saúde fossem implementadas.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 294 mil mortos e infetou mais de 4,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,4 milhões de doentes foram considerados curados.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.