África quer acelerar lançamento de agência reguladora de medicamentos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A comissária para os Assuntos Sociais da União Africana disse hoje que África quer acelerar a operacionalização da sua agência reguladora de medicamentos para aumentar a segurança do setor e encorajar a produção no continente.

“Estamos a estabelecer a nossa própria agência de medicamentos. Estamos ainda muito no início. Os chefes de Estado [da União Africana] aprovaram o tratado de criação da AMA (African Medicine Agency), 16 países membros assinaram, mas apenas dois ratificaram. Precisamos de 15 ratificações para a agência poder começar a funcionar e estamos a mobilizar os esforços junto dos Estados-membros para avançar”, disse Amira El Fadil.

A responsável da União Africana falava hoje, a partir de Adis Abeba, numa conferência ‘online’ sobre o apoio a África na luta contra a covid-19, em que participaram também o diretor do Fundo Global contra Sida, Tuberculose e Malária, Peter Sands, e o responsável pela Aliança para as Vacinas (GAVI), Seth Berkley.

“Em África, temos sido acusados de ser um depósito para medicamentos falsos e pouco seguros. A produção interna no continente é limitada, temos problemas com as regulamentações e com as políticas de medicamentos”, adiantou.

Por isso, sustentou: “Precisamos desta agência para proteger África, para regulamentar as políticas [de saúde] no continente e para encorajar mais produção local de medicamentos”.

“As pessoas estão a falar de tratamento para a covid-19, temos vários ensaios clínicos a decorrer em África, temos o remédio orgânico em Madagáscar e, por isso, precisamos de ser parte da segurança futura da saúde do continente e de preencher as falhas nesta área”, acrescentou.

A pandemia de covid-19 está a colocar desafios adicionais ao fornecimento de medicamentos, incluindo vacinas, a vários países africanos, evidenciando a necessidade de o continente apostar na produção local para responder às necessidades.

Amira El Fadil abordou ainda a resposta à pandemia de covid-19 em África, que regista mais de 66 mil infeções e 2.336 mortes, considerando que o continente agiu cedo e surgiu mais preparado para uma reação conjunta.

“África decidiu desde o início agir como um continente em unidade e solidariedade e esta é parte da força da resposta que estamos a ter”, disse, adiantando que as lideranças africanas aprenderam com as lições da epidemia de Ébola na África Ocidental (2014-2016).

“Nessa altura, não tínhamos um corpo técnico para liderar a luta contra qualquer epidemia no continente. Depois disso, acelerámos o processo de instalação do Centro para a Prevenção e Controlo de Doenças [África CDC], que teve um teste na crise de Ébola na República Democrática do Congo, em 2018, mas que tem nesta pandemia o seu grande teste”, disse.

“Estamos conscientes que em muitos países temos serviços de saúde frágeis e que esta não é uma guerra fácil de ganhar”, disse, reconhecendo a dificuldade de aplicar medidas preventivas da doença como o distanciamento social ou o isolamento.

“Sabemos o tipo de vida que temos, vivemos juntos, temos famílias muito grandes a viverem juntas. Estas medidas não são suficientes para África e, por isso, estamos a pôr mais ênfase no diagnóstico”, adiantou

“Estamos a planear fazer testes, testes e mais testes. É uma das nossas prioridades”, acrescentou, reafirmando a meta de alcançar 10 milhões de testes até final do ano.

Por seu lado, Seth Berkley, responsável pela Aliança para as Vacinas, explicou que a organização realocou 10% do orçamento destinado à vacinação para os países poderem comprar equipamentos de proteção e testes para a covid-19, admitindo que a pandemia terá um impacto nos níveis de imunização das populações.

“Estamos a tentar manter a rotina, mas temos problemas nas cadeias de distribuição, as campanhas foram reduzidas e estamos a ver a imunidade das populações a diminuir porque os médicos e enfermeiros estão a ser desviados para a resposta à covid-19”, disse.

Por outro lado, as medidas de confinamento decretadas pelos países estão a impedir as famílias de acederem aos programas de vacinação.

“Temos de estar preparados para agir imediatamente a seguir ao fim dos confinamentos e fazer campanhas de recuperação de vacinação”, disse.

Quanto a uma possível vacina para o novo coronavírus, Seth Berkley mostrou-se otimista com a rapidez com que os cientistas estão a trabalhar.

“Há mais de 100 vacinas em desenvolvimento, oito em ensaios clínicos e um par delas na segunda fase dois de ensaio. O desafio para nós é assegurar que haverá um compromisso de acesso global à vacina e financiamento disponível para ajudar os países pobres a pagarem pelo acesso às vacinas”, disse.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 286 mil mortos e infetou mais de 4,1 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de 1,4 milhões de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.