Governo garante protecção às crianças durante a pandemia da covid-19

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Mais de 160 Estados, entre os quais Angola, responderam ao apelo do Secretário Geral das Nações Unidas, António Guterres, para priorizem a educação, alimentação, saúde e segurança da criança durante a resposta à covid-19.

A resposta ao apelo consta de uma Declaração Intergovernamental sobre a crise da COVID-19 e os direitos da criança apresentada na semana passada, numa iniciativa lançada pela União Europeia (UE), pelo Grupo de Países da América Latina e Caribe (GRULAC) e o Grupo de Amigos da Criança e dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável.

Os governos comprometem-se em trabalhar juntos para proteger todas as crianças e agir no sentido de prevenir e mitigar todos os riscos que enfrentam e assegurar o acesso à serviços sociais inclusivos e de qualidade como a educação, nutrição, cuidados de saúde; e reforçar o sistema de protecção social, durante a resposta e prevenção da covid-19.

Segundo a ministra da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, Faustina Alves,  o governo angolano, ao apoiar o apelo da ONU, quer reiterar que a situação de emergência não fará relegar para um segundo plano os compromissos assumidos com a protecção e desenvolvimento integral da criança.

 “O Plano Nacional de Contingência para o Controlo da Pandemia traz acções concretas que concorrem para a implementação de várias acções que visam assegurar serviços sociais chave na vida das crianças e famílias vulneráveis, como a saúde, a protecção da criança, a educação e a protecção social”, sublinha a ministra.

Entre as acções realizadas pelo governo, que visam assegurar os direitos da criança sublinha-se a implementação das rádio e teleaulas que estão a beneficiar várias crianças e adolescentes desde a iniciação à 9ª classe, assegurando assim o direito à educação, a intensificação, através dos meios de comunicação social, de acções de sensibilização às famílias para pautarem pelo diálogo ao invés da violência contra a criança, a  aceleração da implementação do programa de transferências monetárias “Valor Criança” que prevê beneficiar famílias com crianças menores de 5 anos de idade, no âmbito do Projecto de Apoio à Protecção Social (APROSOC).

Consta ainda a criação de espaços provisórios para acolhimento de crianças de rua e a disponibilização de bens da cesta básica para famílias vulneráveis, a implementação de procedimentos de atendimento às crianças que se encontram nos Centros de Acolhimento provisório e de quarentena.

Por seu turno, o Coordenador Residente das Nações Unidas em Angola, Paolo Balladelli, afirmou que esta é uma crise universal e, para algumas crianças, o impacto será para toda a vida. Acreditamos que esta acção intensifica a solidariedade internacional pelas crianças e pela humanidade.

Adianta que a pandemia da covid-19, com efeitos sem precedentes, quando associada à falta ou inadequação de serviços básicos e à pobreza, agrava a situação de crianças e famílias vulneráveis de todo mundo.

Já o representante do UNICEF em Angola,  Jean Francois Basse, afirmou que a organização tem apoiado técnica e materialmente as principais acções realizadas pelo governo angolano durante a resposta à covid-19 e acolhe com satisfação o facto de o país ser signatário da Declaração.

“A protecção das crianças e famílias mais vulneráveis é urgente e passa por acções que devem ser adaptadas as suas reais necessidades e condições de vida”, acrescenta.

Devido à pandemia mais de 800 milhões de crianças estão fora da escola.

Segundo a ONU, à medida que os sistemas de saúde se desdobram para dar resposta à covid-19, bebés e crianças perdem as suas vidas por causas que podiam ser prevenidas.

Os governos reconhecem que os efeitos da pandemia e das medidas preventivas tomadas podem representar um desafio para a implementação dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável e para a garantia do pleno gozo dos direitos da criança.

Os Estados comprometem-se em respeitar, promover e proteger de maneira integral os direitos de todas as crianças, reduzir o impacto negativo durante e depois da pandemia e ao mesmo tempo assegurar o respeito do melhor interesse da criança fazendo um esforço para ter em conta, sempre que possível, o seu ponto de vista. 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.