OMS ainda precisa de 1,2 mil milhões de euros para lutar contra pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A Organização Mundial de Saúde (OMS) precisa de mais 1,2 mil milhões de euros para se financiar e aplicar o seu plano estratégico contra a pandemia da covid-19, afirmou hoje o diretor-geral daquela agência das Nações Unidas.

Em conferência de imprensa virtual a partir de Genebra, Tedros Ghebreyesus, afirmou que a estimativa do que a OMS precisa só para si, sem contar com outros esforços globais, é, na totalidade, de 1,56 mil milhões de euros.

“Esta estimativa inclui os fundos que a OMS recebeu até à data, o que deixa a resposta à covid-19 com 1,3 mil milhões de dólares [1,2 mil milhões de euros] em falta” até ao fim de 2020, declarou.

Ghebreyesus manifestou a “profunda gratidão” da organização a todos os dadores que responderam ao primeiro apelo para financiar um plano de resposta à pandemia.

A versão atualizada deste plano concentra-se em cinco eixos: mobilização de todos os setores sociais, controlo de casos esporádicos e surtos localizados, supressão da transmissão comunitária, redução da mortalidade através de cuidados adequados e desenvolvimento de vacinas e terapias eficazes e seguras, referiu.

O diretor da Organização Mundial de Saúde defendeu que o sucesso na erradicação da varíola, há 40 anos, deve informar a luta contra a pandemia da covid-19, que só se conseguirá com “solidariedade global”.

Ghebreyesus lembrou que hoje passam 40 anos desde que a varíola, que afetou os seres humanos durante pelo menos “três mil anos”, foi erradicada.

“Foi a única doença humana a ser erradicada globalmente” e é “um exemplo do que é possível quando as nações se unem para combater uma ameaça à saúde pública”, salientou o responsável da agência das Nações Unidas, e a mesma abordagem é precisa no que respeita ao combate à pandemia da covid-19.

O combate à varíola tinha “uma ferramenta que o mundo ainda não tem” contra a covid-19, salientou: uma vacina, a primeira de sempre.

Criada em 1796 por Edward Jenner, não foi suficiente para acabar com a doença até, quase duzentos anos mais tarde, se ter iniciado em 1967 uma campanha para a erradicação da varíola.

“Um fator decisivo foi a solidariedade global. Em plena Guerra Fria, Estados Unidos e União Soviética uniram forças”, lembrou, frisando que “nenhum vírus respeita nações ou ideologias”.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou cerca de 269 mil mortos e infetou mais de 3,8 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de 1,2 milhões de doentes foram considerados curados.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.