Governo disponibiliza 30 milhões de euros para financiar compras de alimentos nacionais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Governo angolano anunciou hoje que a linha de crédito do Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA) de 17,6 mil milhões de kwanzas (cerca de 30 milhões de euros) para apoio às empresas devido à covid-19 tem 1.964 candidaturas.

Segundo o secretário de Estado para a Economia, Mário João, as candidaturas foram submetidas ao portal de alívio económico, até 30 de abril de 2020, pelos operadores económicos em todas as categorias previstas.

A linha de crédito do BDA, com uma taxa de 9%, maturidade de dois anos e carência de capital de 180 dias, visa financiar a compra dos operadores do comércio e distribuição aos produtores nacionais de produtos como o milho, mandioca, trigo, arroz, açúcar, couve, batata, entre outros.

A iniciativa enquadra-se no âmbito da implementação das medidas de alívio económico aprovadas pelo Governo angolano, em 09 de abril passado, para “mitigar o impacto dos efeitos negativos” da pandemia na economia angolana.

“Foram postas à disposição das micro, pequenas e médias empresas linhas de financiamento que visam fomentar compras de bens de consumo de produção nacional” e matérias-primas agrícolas e das pescas, disse o governante.

O responsável, que falava hoje na abertura de um encontro de concertação com os agentes distribuidores agroalimentares sobre a implementação das medidas de alívio económico, sublinhou que as candidaturas englobam todas as categorias previstas.

Entre as 1.964 candidaturas estão 1.016 de operadores de comércio e distribuição e 506 de pequenas e médias empresas do ramo agropecuário e pescas. As cooperativas familiares submeteram 139, o subsetor da indústria e comércio 223, e sociedade de microcrédito 80.

“Encontramo-nos neste momento na fase de processo de organização de crédito com o objetivo de apresentar o mecanismo para a concessão do crédito da linha de financiamento para compra de bens de consumo de produção nacional”, referiu.

Porque, realçou, “entendemos que o papel do setor privado é de extrema importância com vista a mitigar os resultados negativos provocados pela pandemia da covid-19 e procurar começar um novo ciclo de crescimento assente no consumo da produção nacional”.

Já o presidente do conselho de administração do Instituto Nacional de Apoio Às Micro, Pequenas e Médias Empresas (INAPEM) angolano, Anito Agostinho, deu conta de que no processo de organização do crédito serão avaliadas as respetivas candidaturas.

“Temos nesse mecanismo [concessão de crédito] três intervenientes que são o operador, produtores da produção nacional e a intervenção da instituição financeira que vai viabilizar este apoio, no caso o BDA”, explicou.

Angola conta com 36 casos confirmados da covid-19, nomeadamente 23 casos ativos, onze recuperados e dois óbitos.

O país cumpre a segunda prorrogação do estado do estado de emergência que estende até domingo, 10 de maio.

O parlamento angolano aprovou hoje a terceira prorrogação deste período de exceção temporária.

O número de mortos devido à covid-19 em África subiu hoje para 2.074, com mais de 54 mil casos da doença registados em 53 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia naquele continente.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 269 mil mortos e infetou quase 3,8 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de um 1,2 milhões de doentes foram considerados curados.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.