OIM repatria 11 migrantes etíopes que sobreviveram a tragédia em Moçambique

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Onze migrantes etíopes que sobreviveram num contentor onde morreram 64 cidadãos daquele país em Moçambique, no dia 24 de março, foram repatriados na semana passada, anunciou a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Em comunicado enviado à Lusa, a OIM indica que o repatriamento dos 11 jovens migrantes resultou da coordenação entre os governos de Moçambique e da Etiópia e a Iniciativa Conjunta – União Europeia – OIM para a Proteção e Reintegração dos Migrantes no Corno de África.

Ao todo, sobreviveram 14 migrantes, mas três deixaram clandestinamente as instalações para onde tinham sido levados, na província de Tete, centro de Moçambique, e ainda não foram localizados, refere-se na nota.

Após a sua chegada à Etiópia, os 11 migrantes foram colocados em quarentena obrigatória de 14 dias, devido à covid-19, e vão depois ser levados para as zonas de origem, no sul do país.

“Um mês depois de terem escapado à morte, os jovens concordaram que foi um milagre terem sobrevivido. Desde que foram resgatados, a magnitude da sua experiência de risco de vida e da sua perigosa viagem está agora a despertar”, considerou a OIM.

Um dos jovens migrantes relatou à OIM que “toda a viagem foi difícil”. 

“Eu sofri muito. Sofri a tortura dos contrabandistas, caminhei durante dias nas florestas e mal tinha água e comida”, disse.

Segundo o migrante, foram colocados, todos os 78, uns por cima dos outros num espaço que mal podia acomodar 20 pessoas.

“Gritávamos por ar, implorando-lhes [aos transportadores] que abrissem a porta. No último posto de controlo, batemos no contentor, gritando pelas nossas vidas. Foi aí que a polícia nos ouviu”, acrescentou.

As autoridades levaram depois os sobreviventes para um hospital em Tete, onde receberam tratamento médico, devido à desidratação e exaustão.

Quando chegarem ao destino final, na Etiópia, vão receber da OIM apoio económico e psicossocial para se poderem reintegrar nas comunidades.

As autoridades moçambicanas organizaram um enterro coletivo para os 64 migrantes num cemitério municipal.

O motorista e o ajudante do camião, que receberam 35 mil meticais (cerca de 500 euros) para o transporte dos migrantes, foram detidos pela polícia, que continuava a procurar o intermediário que facilitou a entrada clandestina dos etíopes no país.

Aquela agência das Nações Unidas assinala que, anualmente, milhares de etíopes deixam o país e emigram ilegalmente para a África Austral, seguindo a chamada Rota do Sul, que passa pelo Quénia, Tanzânia, Maláui e Moçambique, até chegarem à África do Sul, a economia mais forte do continente.

Pagam aos “contrabandistas” entre 2.500 dólares (2.316 euros) e 6.000 dólares (5.558 euros) sob promessa de viajarem em segurança.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.