Moody’s piora ‘outlook’ da Corporação Financeira Africana para Negativa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A agência de notação financeira Moody’s desceu hoje a Perspetiva de Evolução da Corporação Financeira Africana, uma instituição multilateral de financiamento do desenvolvimento, de Estável para Negativa, mantendo o ‘rating’ em A3 devido às implicações da covid-19.

“A Perspetiva de Evolução [‘outlook’] Negativa reflete as crescentes pressões sobre a adequação de capital da CFA e a posição de liquidez em resultado da pandemia do novo coronavírus”, escrevem os peritos da Moody’s, notando que “a rápida e abrangente propagação do vírus, a queda das condições da economia a nível mundial, a queda dos preços do petróleo e o declínio no preço dos ativos estão a criar um choque de crédito severo e extenso em muitos setores”.

Estes choques “sem precedentes” refletem-se na qualidade do crédito da CFA, através “do aumento do risco de perdas, incluindo através de atrasos nos pagamentos dos empréstimos, já que os clientes enfrentam um choque económico muito severo devido à composição da carteira de empréstimos”.

A manutenção do ‘rating’ em A3, um dos melhores entre as instituições financeiras africanas, explica-se “pelas medidas que a Corporação está a tomar para proteger o capital e a sua liquidez, o que pode impedir uma erosão do perfil de crédito”.

A Moody’s também prevê que esta instituição financeira “mantenha a forte liquidez devido às significativas almofadas financeiras disponíveis no início do choque, adesão à política de liquidez e às fontes de financiamento estáveis e diversas a médio prazo”.

Evitar que a descida do ‘outlook’ se transforme numa degradação da opinião da Moody’s sobre a qualidade do crédito será um dos principais desafios do novo presidente da CFA, Kinglsey Obiora, que foi nomeado em 24 de abril.

A CFA é uma instituição financeira independente e detida maioritariamente por capitais privados, fornecendo consultoria e financiamento aos projetos de infraestrutura de desenvolvimento em África, tendo 6,1 mil milhões de dólares de ativos, 26 Estados-membros e presença em mais de 30 países do continente, entre os quais os lusófonos Guiné-Bissau e Cabo Verde.

O número de mortes provocadas pela covid-19 em África subiu hoje para 1.959, com mais de 49 mil casos da doença registados em 53 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia naquele continente.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 254 mil mortos e infetou quase 3,6 milhões de pessoas em 195 países e territórios. Mais de um 1,1 milhões de doentes foram considerados curados.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.