Médicos guineenses céticos em relação à estratégia do país para combater a doença

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Dois médicos guineenses do Hospital Simão Mendes de Bissau, Mboma Sanca e Malam Sabali, disseram hoje à Lusa estarem cético com a estratégia da Guiné-Bissau para combater a pandemia do novo coronavírus.

O Centro de Emergência de Saúde da Guiné-Bissau registou já 457 infeções por covid-19 no país, incluindo 24 recuperados e duas vítimas mortais.

Mboma Sanca trabalha no único serviço de Cuidados Intensivos e Malam Sabali é médico-cirurgião nos serviços de urgência.

Ambos afirmam que o Simão Mendes, hospital de referência da Guiné-Bissau, lugar preparado para receber e tratar doentes afetados pela covid-19, não tem, atualmente, as mínimas condições exigidas.

Nas contas de Malam Sabali, até 6% dos doentes infetados pela covid-19 vão precisar de um internamento nos Cuidados Intensivos, dada a gravidade da sua situação, mas naquela unidade, disse, “não há oxigénio nem ventiladores”.

Sabali afirmou que a unidade é a única naquele hospital com um sistema de canalização, já montado, para levar oxigénio até ao paciente, mas que atualmente não funciona por falta daquele produto.

A unidade de produção do oxigénio do Simão Mendes está avariada e Malam Sabali entende que a solução passa pela sua rápida recuperação, antes que qualquer doente com a covid-19 seja internado nos Cuidados Intensivos.

Médico de medicina interna, Mboma Sanca disse que é a própria estratégia guineense que “se está a relevar um fracasso”, a começar pela forma como é feita a comunicação pelas autoridades sanitárias.

“Não se identificou a real estratégia de combate que devia assentar na comunicação e prevenção, porque mesmo os Estados Unidos de América com todo o seu arsenal de equipamentos, não estão a conseguir evitar as mortes”, defendeu Mboma Sanca.

Para o clínico guineense, a doença deixou de ser uma ameaça para o país a partir do dia 25 de março quando foram diagnosticados os primeiros casos e “era tempo suficiente para uma outra abordagem”, frisou.

Malam Sabali antevê “dias complicados” a partir do momento em que comecem a dar entrada no Simão Mendes casos graves e lembrou que o primeiro paciente com aquele quadro acabou por falecer 48 horas depois de dar entrada no hospital.

Sabali até compreende os esforços das autoridades, mas defendeu ser urgente equipar o Simão Mendes, formar a equipa médica e dotá-la de material de proteção que disse não passar, neste momento, de máscaras cirúrgicas e luvas.

“Esta batalha não é de curto prazo, devemos pensar que vai levar algum tempo. Temos máscaras e luvas, mas em pequena quantidade e é preciso dotar o pessoal médico com touca, batas, botas e outros materiais”, sublinhou Sabali.

Para Mboma Sanca, mais do que pensar no tratamento é a própria estratégia que deve ser orientada no sentido de incentivar o distanciamento social da população, isolamento de casos positivos e proteção do grupo de risco, pessoas portadoras de outras doenças, nomeadamente AVC, diabetes, hipertensão e VIH/Sida.

É desse grupo que Malam Sabali aponta para os 6% de doentes que serão considerados casos graves e para os quais, disse, o país ainda não se preparou. Segundo disse, 80% de infetados terão manifestações ligeiras e 14% terão manifestações severas.

A Guiné-Bissau tem 475 casos confirmados da doença e dois mortos.

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, prolongou, pela segunda vez, o estado de emergência no país até 11 de maio.

No âmbito do combate à pandemia, as autoridades guineenses encerraram também as fronteiras, serviços não essenciais, incluindo restaures, bares e discotecas e locais de culto religioso, proibiram a circulação de transportes urbanos e interurbanos e limitaram a circulação de pessoas ao período entre as 07:00 e as 14:00 horas.

O número de mortes provocadas pela covid-19 em África subiu hoje para 1.959, com mais de 49 mil casos da doença registados em 53 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia naquele continente.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 254 mil mortos e infetou quase 3,6 milhões de pessoas em 195 países e territórios. 

Mais de um 1,1 milhões de doentes foram considerados curados.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.