Futebolistas brasileiros querem mais garantias antes do regresso

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Os futebolistas brasileiros querem melhores condições salariais, mais segurança no trabalho e melhor proteção sanitária, quando já se fala na possibilidade de reatar a competição, suspensa por causa da pandemia de covid-19.

A mensagem passa através de um vídeo da Fenapaf, a estrutura nacional de jogadores, com 16 futebolistas de diferentes clubes a dar a cara pelo que apresentam como uma realidade difícil.

O vídeo acabou por geral alguma polémica pela escolha para último testemunho – Felipe Melo, jogador do Palmeiras é assumido apoiante do prsidente Jair Bolsonaro.

Diego e Everton Ribeiro, do Flamengo, Leandro Castan, do Vasco da Gama, Cássio, do Corinthians, Réver, do Atlético Mineiro, e Léo, do Cruzeiro, são alguns dos jogadores escolhidos para ler um texto corrido com críticas em várias direções.

“Temos diferentes realidades na nossa classe, a maioria só trabalha três meses por ano, 95 por cento de nós recebemos menos que dois salários mínimos”, referem os jogadores. “Mudar as leis, sem ouvir a gente? Isso não é legal”, comentam, a propósito da proposta de congelamento do Plano de Modernização do setor e da redução de 50% do valor pago aos jogadores em caso de rescisão unilateral.

“O povo brasileiro ama e quer o futebol de volta, nós também amamos e queremos voltar, nossas famílias precisam de nós. Somos todos pelo trabalho, mas precisamos de pensar na saúde de todos nós, venceremos essa partida juntos”, referem ainda os jogadores.

O futebol no Brasil está parado desde 15 de março e ainda não tem data de recomeço, apesar de muitas pressões nesse sentido. Jair Bolsonaro chegou a dizer que se a escolha fosse só dele, já tinha voltado.

Por enquanto, o regresso é ‘tímido’ e apenas o Internacional de Porto Alegre regressou hoje aos treinos, respeitando o distanciamento social.

O Flamengo, treinado por Jorge Jesus e campeão nacional e detentor da Taça Libertadores, adiou os planos do regresso depois da morte por covid-19 de um dos elementos da sua estrutura, na segunda-feira.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 251 mil mortos e infetou quase 3,6 milhões de pessoas em 195 países e territórios. Mais de um 1,1 milhões de doentes foram considerados curados.

No Brasil, morreram 7.367 pessoas das 108.620 confirmadas como infetadas, o que coloc o país como o nono mais atingido, até ao momento.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.