Pandemia faz disparar procura por aplicações de entregas em Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Com restaurantes fechados e restrições ao comércio e circulação de pessoas devido ao estado de emergência, os angolanos voltaram-se para as entregas ao domicílio, fazendo disparar o negócio das aplicações que cresceu, nalguns casos, 500%

É o caso da Tupuca, uma aplicação de encomendas online de empreendedores angolanos, que cresceu “basicamente 500%” desde o mês passado, segundo o CEO Wilson Ganga.

Também Pedro Beirão, CEO da Appy Saúde, uma plataforma digital para serviços de saúde, viu o número de pedidos duplicar neste período, com um pico em março, no início do estado de emergência devido ao “pânico” das pessoas e à escassez repentina de produtos farmacêuticos.

Em declarações à Lusa, o empresário Wilson Ganga adiantou que, além da faturação também o número de parceiros aumentou substancialmente, passando de 200 para os atuais 250, havendo já mais de 500 em lista de espera.

A plataforma, inicialmente mais vocacionada para a restauração, viu nos últimos tempos o negócio alargar-se aos supermercados, bebidas, farmácias e, mais recentemente, à moda.

Embora as refeições continuem a ser o prato forte da Tupuca, concentrando cerca de 70% dos pedidos, intensificou-se também a procura por outro tipo de produtos tendo algumas cadeias de híper e supermercados aderido recentemente à plataforma.

“A procura dos clientes aumentou muito”, sublinhou Wilson Ganga, acrescentando que foram contratados mais 75 “tupuquinhas” para fazer as entregas.

Para atender à procura, os empresários adaptaram-se e direcionaram a frota da empresa mais recente do grupo, a T’Leva, uma plataforma de transporte de pessoas e bens lançada em fevereiro de 2019, para as entregas.

“Como a procura da T’Leva baixou, sobretudo aos fins de semana, direcionámos a frota do T’Leva para o Tupuca e os motoristas do T’Leva que estão a fazer os dois serviços, podem fazer entregas ou serviços de táxi”, detalhou.

A frota atinge já os 300 carros divididos pelas duas plataformas, sobretudo elétricos, além de 90 motas.

Wilson Ganga, acredita que passada a pandemia, que levou ao surgimento de novas aplicações na área da restauração neste período, a evolução da empresa vai continuar a ser positiva.

“O negócio está aí, os empresários querem expandir as vendas e começaram a juntar-se à aplicação e as pessoas entretanto também se habituaram a usar pela comodidade”, destaca, considerando que Angola está a entrar num nível de “e-commerce” comparável ao de outras economias.

Opinião concordante tem o fundador da Appy Saúde, Pedro Beirão, que relata que, no pico da procura, quando “as pessoas ficaram em quarentena” a procura de produtos farmacêuticos disparou, registando-se mesmo alguma escassez.

A Appy Saúde verificou um grande aumento na procura de máscaras – o produto “top”, segundo Pedro Beirão – luvas, álcool gel e antibióticos, bem como cloroquina, um medicamento usado no tratamento e profilaxia da malária, que tem também sido usado para tratar a covid-19.

Pedro Beirão diz que a Appy se conseguiu adaptar rapidamente ao crescimento da procura, por ter um modelo digital “escalável”, pelo que apesar da procura duplicar, não teve de aumentar o número de trabalhadores na mesma proporção, embora tenha reforçado a área de suporte.

Para garantir a entrega atempada das encomendas, tendo em conta que estava circunscrita ao centro da cidade e foi alargada a áreas da periferia, associaram-se a parceiros de transporte

Pedro Beirão realçou ainda que a pandemia “fez acelerar a inovação”, com a Appy a preparar a introdução de novas ferramentas e funcionalidades, incluindo a possibilidade de adicionar receitas médicas e seguros

Com mais de 40 farmácias associadas e cerca de 20 prestadores de serviços de saúde ?online’ (com previsão de 40 em breve) e plataforma disponível em Luanda, Benguela e no Huambo, a Appy vai continuar a expandir-se, impulsionada pelas novas modalidades de pagamentos ?online’ que estão também a ser introduzidas em Angola, acredita o empreendedor.

“As pessoas não tinham experiência e viram que o serviço, que é grátis, dá resposta, podendo encomendar os produtos e levantar nas farmácias ou receber em casa. Isto facilita a vida e a partir daí, as pessoas habituam-se. Penso que a tendência é continuar a ter um crescimento paulatino, algo que será generalizado a todos os serviços de entregas “, prevê Pedro Beirão.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.