Último grupo de passageiros dos voos do dia 17 e 18 devem fazer o teste hoje

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Os cidadãos provenientes de Lisboa (Portugal), nos voos dos dias 17 e 18 de Março último, até aqui não testados sobre a covid-19, devem comparecer este sábado (02) no Hospital Américo Boavida, em Luanda, no período das 08 às 11h30, para colheita das respectivas amostras.

O alerta foi feito esta sexta-feira, em Luanda, pelo secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, que apelou, igualmente, a comparência, no mesmo local, dos cidadãos provenientes do Porto (Portugal), no voo DT7481 do dia 21de Março.

Falando na habitual actualização do quadro epidemiológico nacional, disse que a programação da colheita das amostras será feita por fila de cada voo, colhendo-se das 08 às 9h30 as amostras dos passageiros da fila um a 26, e das 09h30 às 11h30 os cidadãos da fila 31 a 53.

Findo esse período, alertou o secretário de Estado para a Saude Pública, o cidadão que não comparecer será “caçado” compulsivamente para  fazer o exame.

Na ocasião, deu a conhecer que nesta sexta-feira concluiu-se com a colheita de amostras dos passageiros dos voos DT651 e 653, provenientes de Lisboa, uma actividade que decorre desde o dia 29 de Abril, no Hospital Américo Boavida e na Escola Nacional de Saúde Pública, em Luanda.

Afirmou que, durante os dois dias, foram colhidos 593 amostras (176 pocessadas, com resultados negativos), estando 417 em processamento laboratorial.

Desde que começou a testagem no país, em Março último, duas mil e 772 amostras de cidadãos suspeitos do novo coronavírus foram colhidas pelo Instituto Nacional de Investigação da Saúde (INIS), tendo duas mil e 264 testado negativas, 30 positivas. 478 estão em processamento laboratorial.

Nas últimas 24 horas, o país registou mais três infectados, elevando para trinta o número de casos confirmados com a covid-19, envolvendo três membros da mesma família, contaminados pelo cidadão que violou a quarentena domiciliar e forneceu dados falsos as autoridades sanitárias.

Esse infractor (caso 26), que chegou a Angola no dia 18 de Março último, de Lisboa, Portugal, foi denunciado pela sua esposa.  

Com esses novos casos, o número de transmissão local sobe para quatro (dois homens e duas mulheres da mesma família), com idades compreendidas entre 8 a 38 anos, numa altura em que Angola acusa 30 infectados, dos quais 11 recuperados, 17 activos e dois mortos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.