Jornalistas acreditam que Governo acuda “situação crítica” do setor privado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Jornalistas angolanos, sobretudo de órgãos privados, manifestaram-se hoje confiantes que a “situação crítica” do setor, agravada pela covid-19, com “dificuldades para pagar salários”, será ultrapassada, após reunião com o ministro da Comunicação Social sob indicação do Presidente angolano.

“Esperamos que sim, porque este sinal que o Presidente da República, João Lourenço, deu pressupõe que sim, vamos acreditar que sim, que realmente os dias de afiliação e dificuldades que vivemos sejam ultrapassadas”, afirmou hoje o secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Angolanos (SJA), Teixeira Cândido.

Segundo o sindicalista, que falava hoje à Lusa no final de uma reunião que mantiveram com o ministro das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social (MTTICS) angolano, Manuel Homem, o atual cenário da imprensa privada “é crítico e emergencial”.

A necessidade da manutenção dos empregos e o funcionamento das empresas “fundamentalmente que os trabalhadores das empresas de comunicação social sejam capazes de sustentar as suas famílias” foram os pontos que nortearam o encontro.

O encontro, que decorreu na sede do MTTICS, em Luanda, surgiu na sequência de uma carta que um grupo de diretores dos órgãos privados de comunicação e o SJA endereçou ao Presidente angolano solicitando a sua intervenção para “acudir dificuldades financeiras do setor”.

“A situação já era de facto crítica, mas com a pandemia a situação agudizou-se, a única fonte de receitas dos órgãos de comunicação social, fundamentalmente privados, é a publicidade e não havendo publicidade as empresas não têm como sobreviver”, notou.

Esta “situação preocupante” dos órgãos privados, assinalou, “motivou-nos lançar um grito de socorro ao Presidente da República e este orientou o senhor ministro das Telecomunicações, Tecnologia de Informação e Comunicação Social a trabalhar connosco”.

Teixeira Cândido observou que apesar da ausência de um horizonte temporal, a situação dos órgãos “é emergencial”, augurando que “as soluções surjam quanto antes porque a situação é crítica”.

“Sim, é emergencial, porque as empresas não têm capacidade, há empresas com atrasos salariais, o próprio grupo Média Nova tem empresas que não pagam salários, quase que não foram capazes de pagar o salário de março”, realçou.

De acordo ainda com o secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Angolanos há empresas inclusive que “não sabem como vão pagar os salários de abril. Portanto a situação é crítica”, rematou.

Anteriormente à Lusa, o SJA e o Instituto para a Comunicação Social da África Austral (MISA, na sigla inglesa) Angola já haviam manifestado o “quadro sombrio” que o setor privado a comunicação social angolana apontando a “redução da publicidade para mais da metade” como dos principais fatores.

Angola entra hoje para o sexto dia a segunda prorrogação do estado de emergência que se estende até 10 de maio.

O país conta já com 27 casos confirmados de covid-19, entre os quais 18 casos ativos, dois óbitos e sete recuperados.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 227 mil mortos e infetou quase 3,2 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Cerca de 908 mil doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 989 pessoas das 25.045 confirmadas como infetadas, e há 1.519 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.