China recusa investigação “politizada” sobre origem do coronavírus

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Governo chinês recusou hoje “resolutamente” aceitar uma investigação sobre a origem do novo coronavírus, apontando que esta seria “politizada” e “presumiria a culpa” do país, numa altura em que vários líderes mundiais pedem mais transparência a Pequim.

Em entrevista à cadeia televisiva norte-americana NBC, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da China Le Yucheng afirmou que Pequim apoia o intercâmbio entre cientistas, mas que se opõe a que o país se sente no banco dos réus, “sem qualquer evidência e com presunção de culpa”.

O diplomata indicou que não há “base” para a realização de uma investigação internacional e que “isso apenas contribuiria para estigmatizar a China”.

Estados Unidos, Austrália, Alemanha ou Suécia exigiram já a Pequim mais informação sobre a origem do vírus.

Em entrevista recente à rede televisiva norte-americana Fox, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, afirmou que o Governo chinês “sabia do vírus antes de decidir informar o público”.

Le Yucheng acusou “alguns políticos” de “politizarem a pandemia” e afirmou que estes deviam “lutar juntos”, em vez de fazerem acusações.

O diplomata argumentou ainda que as medidas adotadas pela China para controlar o surto foram “abertas, transparentes e responsáveis” e que o país “não ocultou ou atrasou nenhuma informação”.

“Os números publicados são verdadeiros”, disse.

Le defendeu que se deve “confiar nos especialistas que garantiram que o coronavírus é natural” e, citando o diretor do Instituto de Virologia de Wuhan, a cidade no centro da China de onde a doença é originária, garantiu que é “impossível” que o vírus tenha origem no laboratório, como sugeriram alguns políticos norte-americanos.

E lembrou que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), “até à data a origem da SARS-CoV-2 é desconhecida”, mas que “todos os dados disponíveis sugerem que é de origem animal” e, portanto, não se trata de um vírus criado em laboratório.

“A China não causou a pandemia, é um desastre natural com que nós sofremos também. Somos uma vítima do vírus, não cúmplice. Além disso, a China contribuiu para combater a pandemia. Culpar a China ou pedir uma indemnização à China é uma farsa”, afirmou.

O diplomata reiterou que a China informou a OMS sobre o vírus em 03 de janeiro e que, no dia 12 do mesmo mês, anunciou a sequência do seu genoma, “fornecendo informações importantes para diagnóstico e tratamento e para o desenvolvimento de uma vacina”.

Após uma lenta reação inicial e ter silenciado médicos que alertavam para os perigos de uma nova doença contagiosa, o Governo chinês tomou medidas drásticas, incluindo colocar a província de Hubei, da qual Wuhan é capital, sob quarentena, e a paralisia económica do país.

Enquanto o Governo dos EUA sugeriu que o vírus teve origem num laboratório, algumas autoridades chinesas promoveram a teoria de que soldados norte-americanos introduziram a doença durante a sua participação nos Jogos Militares Mundiais de Wuhan, em outubro passado.

“Ouvimos comentários muito negativos contra a China, mas muitas pessoas também apelam a que os dois países se oponham a uma nova guerra fria. Podemos cooperar, precisamos ter esperança”, acrescentou.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.