Cabo Verde e Guiné Equatorial entre países africanos com mais casos por 100 mil habitantes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Cabo Verde e a Guiné Equatorial estão entre os cinco países africanos com mais casos de covid-19 declarados por 100 mil habitantes, divulgou hoje o Centro para a Prevenção e Controlo de Doenças da União Africana (África CDC).

“Quando se tem em consideração a população, Djibuti (105), Maurícias (26), Cabo Verde (20), Guiné Equatorial (18) e Seychelles (11) estão a reportar o maior número de casos por 100 mil habitantes”, disse Benjamin Djoudalbaye, do África CDC.

De acordo com o responsável pela diplomacia da saúde e comunicação do África CDC – que hoje substituiu na conferência de imprensa semanal o diretor John Nkengasong – África do Sul (15%), Egito (14%), Marrocos (12%), Argélia (10%) e Camarões (5%) mantêm-se como os países africanos com maior número de casos acumulados.

O Egito regista 380 mortos e 5.268 infetados, a África do Sul conta 103 mortos e 5.350 doentes infetados, enquanto Marrocos totaliza 168 vítimas mortais e 4.321 casos e os Camarões contabilizam 61 mortos e 1.832 infetados.

O maior número de vítimas mortais regista-se na Argélia (444), em 3.848 doentes infetados.

Globalmente, África regista 1.589 mortes, 36.847 infeções e 12.071 doentes recuperados em 52 países.

 Números que, segundo Benjamin Djoudalbaye, representam um crescimento de 37% nas infeções no continente na última semana e correspondem a uma taxa de mortalidade de 4,3%.

O responsável do CDC assinalou ainda a existência de nove países africanos com taxas de mortalidade superiores à mortalidade média global de 6,9%, destacando a Argélia (12%), Libéria (12%), Sudão (8%) e Egito (7%).

As ilhas Comores, Lesoto e República Saarauí continuam sem notificar casos de covid-19.

“Os números estão a aumentar e, se olharmos com atenção, verificamos que vários países duplicaram os seus casos numa semana e não sabemos qual será a trajetória nos próximos dias”, adiantou Benjamin Djoudalbaye.

O responsável do África CDC assegurou que os países estão preparados e que começam a ser percetíveis os resultados de medidas como o confinamento ou o fecho de fronteiras.

Reconhecendo que número de casos e infeções em África é relativamente baixo quando comparado com a Europa ou Estados Unidos, Benjamin Djoudalbaye apontou como possível explicação o sistema de vigilância do continente habituado a lidar com epidemias.

Questionado sobre a possibilidade de existir subnotificação do número de casos devido à insuficiência de testes, o responsável do África CDC rejeitou esta ideia.

“Os casos de covid-19 não são algo que se possa esconder. As pessoas estão a morrer e não se podem esconder os corpos. Se as pessoas têm tosse e febre procuram cuidados, vão aos hospitais e isso vê-se. Não penso que estes números estejam ligados à inexistência de testes”, disse.

Acrescentou que a capacidade de fazer testes está a aumentar e que nas próximas semanas deverá ser possível ter uma visão mais clara da situação em África.

O África CDC lançou uma campanha para acelerar a realização de testes no continente, estimando atingir um milhão de análises nas próximas semanas e 10 milhões até ao final do ano.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.