África Ocidental e Central regista aumento dramático de casos – OMS

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A diretora da OMS África alertou hoje para um aumento “dramático” de infeções pelo novo coranavírus na região África Ocidental e Central, que concentra 54% dos casos e 35% das mortes do continente e níveis “muito baixos” de testes.

“Os casos aumentaram dramaticamente nos países da África Ocidental e Central. A sub-região concentra agora mais de metade dos casos (54%) da região africana da OMS (47 países da África Subsaariana e a Argélia) e 35% por cento das mortes”, disse Matshindiso Moeti.

A responsável da Organização Mundial de Saúde (OMS) África falava durante uma conferência de imprensa virtual conjunta de várias agências das Nações Unidas a operar na África Ocidental e Central.

Matshindiso Moeti assinalou que dos 12 países da região africana da OMS com registo de transmissão local da doença, oito estão nesta sub-região, ou seja, países onde a propagação do novo coronavírus está generalizada na população.

Os 24 países da África Ocidental e Central registam quase 11.300 casos acumulados de covid-19 e mais de 300 mortes.

“Desde os primeiros três casos no Senegal, o passo da epidemia acelerou e, na semana de 13 de abril, os casos cresceram 113% na África Central e 42% na África Ocidental, que partiu de uma base maior em termos do número de casos”, indicou.

“Se as medidas de controlo não mudarem drasticamente, os casos nesta sub-região irão duplicar quase todas as semanas”, acrescentou.

Moeti manifestou “grande preocupação com a propagação do vírus” nesta região, onde o número de testes à doença tem sido “muito baixo”.

“Os países africanos da região da OMS estão a fazer nove testes em cada 10 mil pessoas, o que é muito baixo quando comparado com países como Itália, que está a fazer 200 testes por cada 10 mil pessoas”, apontou Matshindiso Moeti.

Números que são ainda mais baixos na sub-região da África Ocidental e Central, onde há países a fazerem apenas cinco análises por cada 10 mil pessoas.

Nesta região, o Gana surge como o país que mais testes está a fazer, com uma média de 30 análises por cada 10 mil pessoas.

Ainda assim, notou, todos os países desta região têm laboratórios com capacidade para processar as análises.

“A testagem é um primeiro passo fundamental para saber onde está o vírus para podemos parar a sua propagação. Há uma grande falta de testes e esta é a nossa prioridade no apoio aos países”, disse.

Por isso, a especialista adiantou estarem a trabalhar “urgentemente” com cientistas e parceiros para conseguir validar alguns dos testes rápidos que estão a ser produzidos em alguns países e mostrou-se “muito otimista” com o teste que está a ser desenvolvido pelo Senegal.

“Temos de ultrapassar a grande escassez de testes e o teste ‘low-cost’ que o Senegal está a desenvolver é muito promissor”, afirmou.

Na mesma conferência de imprensa participaram também os diretores regionais da Unicef, PAM, UNFPA, além do representante especial do secretário-geral das Nações Unidas para a África Ocidental e Sahel, Mohamed Ibn Chambas.

Os responsáveis das organizações das Nações Unidas assinalaram que o aumento constante de casos representa um desafio adicional numa região que enfrenta desafios humanitários decorrentes de vários conflitos, da escassez de alimentos e de sistemas de saúde muito frágeis.

Alertaram também para a necessidade de mobilizar recursos financeiros e apoio técnico, não apenas para a resposta imediata à saúde, mas para prevenir o impacto social e económico que esta crise terá sobre milhões de pessoas que sobrevivem com base num rendimento diário.

Quatro dos nove países que integram a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) localizam-se na sub-região da África Ocidental e Central.

Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial e São Tomé e Príncipe somam, no seu conjunto, 637 casos e três mortes desde o início da pandemia.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 217 mil mortos e infetou mais de 3,1 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Perto de 860 mil doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.