Grupo de cientistas une-se para desenvolver respostas à pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Um grupo de cientistas, suportados por investidores multimilionários norte-americanos, uniu-se para desenvolver respostas no combate à pandemia da covid-19 e entregou já um primeiro relatório à Casa Branca, informou hoje o The Wall Street Journal.

O relatório entregue apresenta recomendações sobre tratamentos, vacinas e como reabrir a economia, com a iniciativa, que até agora operava com discrição, a ser encabeçada pelo médico e investidor Tom Cahill, contando também, entre outros participantes, com o biólogo Michael Rosbash, galardoado em 2017 com o Nobel da Medicina.

Entre os multimilionários envolvidos está Steve Pagliuca, coproprietário da equipa da liga norte-americana de basquetebol (NBA) Boston Celtics, que utilizou as suas conexões para divulgar o trabalho do grupo entre grandes empresários e dirigentes políticos, incluindo membros do Governo e da equipa de combate ao novo coronavírus, liderada pelo vice-presidente dos Estados Unidos da América (EUA), Mike Pence.

O trabalho dos cientistas centrou-se em analisar muitas das investigações relacionadas com a pandemia da covid-19 e selecionar o material mais relevante, oferecendo recomendações aos líderes políticos e empresariais.

O primeiro relatório, de 17 páginas, foi publicado hoje pelo The Wall Street Journal e propõe, entre outras sugestões, generalizar a utilização do medicamento remdesivir, da farmacêutica Gilead, para tratar os pacientes com doses maiores e fazê-lo numa fase inicial.

Os especialistas pedem também que a administração flexibilize alguns requisitos para permitir acelerar o desenvolvimento de terapias com anticorpos, que consideram que podem avançar muito rapidamente e ser efetivas, tanto para tratar os doentes, como para proteger os profissionais à espera de uma vacina.

Para a retoma da atividade económica, o relatório propõe uma aplicação para que as pessoas que regressem aos seus postos de trabalho confirmem que não apresentam nenhum sintoma da doença, bem como o desenvolvimento de um teste através da saliva, que permita realizar o teste repetidamente à mesma pessoa, várias vezes por semana.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (55.563) e mais casos de infeção confirmados (cerca de 980 mil).

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou cerca de 209 mil mortos e infetou quase três milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 818 mil doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.