AN ratifica acordo para Zona Africana de Comércio Livre

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Os deputados à Assembleia Nacional votaram esta terça-feira, por unanimidade, o Projecto de Resolução para Ratificação do acordo que cria a Zona de Comércio Livre Continental Africana.

Ao apresentar o projecto, o ministro das Relações Exteriores, Téte António, afirmou que este  acordo visa criar um mercado único liberalizado de mercadorias e serviços facilitando a livre circulação de pessoas e capitais e canalizar investimentos.

Pretende-se, de igual modo, promover o desenvolvimento industrial através da diversificação das cadeias de valor regionais, acelerar o processo de integração económica sub-regional e continental e estabelecer as bases para uma união aduaneira continental, numa fase posterior.

Para o efeito, os países deverão dar passos necessários no sentido de  terminar progressivamente as barreiras tarifárias e não tarifários do comércio de mercadorias, liberalizar progressivamente este comércio e serviços, cooperar em todos os domínios ligados aos comércio e cooperar nos domínios aduaneiros na implementação.

Explicou que África é um mercado que representa 16,2% da população mundial, com  um produto interno combinado avaliado em 3,4 biliões de dólares norte-americanos, tendo como  previsão o aumento das trocas comerciais dos actuais 16% para 53 %, eliminar os direitos aduaneiros em 90%, elevar as trocas comerciais entre países africanos de modo substancial até 2023.  

Na óptica de Téte António, o maior perigo que se poderia correr é que os africanos limitassem as suas próprias ambições.

Considera que a criação da zona de comércio livre africana é uma das ambições iguais aquelas que nortearam a acção dos países da União Africana.

As reduções tarifárias podem desempenhar um papel significativo no desenvolvimento do comércio intrarregional se aplicadas a uma maior proporção do comércio e devem ser complementadas por políticas de redução dos estrangulamentos não tarifários.

As políticas devem abordar os custos de ajustamento da integração comercial com destaque para o fomento da produtividade agrícola em economias menos diversificadas.

O uso de programas sociais e de formação direccionados para facilitar a mobilidade dos trabalhadores entre indústrias para mitigar os efeitos adversos na distribuição de rendimentos, é outra das políticas preconizadas na materialização do acordo da criação da zona de comércio livre africana.

Na mesma sessão, os deputados aprovaram igualmente por unanimidade a substituição no Conselho Nacional Eleitoral por incompatibilidade de funções de Júlia de Fátima Leite da Silva Ferreira Albino, por Maria Augusta Macedo Rodrigues.

A substituição foi proposta pelo grupo parlamentar do MPLA, em virtude de Júlia Ferreira ter sido eleita juíza conselheira do Tribunal Supremo.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.