OMS lança coligação para ter vacinas e tratamento acessíveis a todo o mundo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A Organização Mundial de Saúde (OMS) apresentou hoje uma coligação de países, organizações e empresas empenhadas em assegurar vacinas, testes de diagnóstico para a covid-19 acessíveis rapidamente e em todo o mundo.

“A experiência do passado mostrou-nos que mesmo quando ferramentas destas estão disponíveis, não ficaram ao dispor de todos. Não podemos permitir que isto aconteça”, afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, na apresentação do chamado “Acelerador ACT”.

França, Espanha, Alemanha, Reino Unido, Itália, União Africana, a fundação Gates, a Comissão Europeia e a União Africana são alguns dos parceiros desta iniciativa, que terá no dia 04 de maio a primeira reunião de angariação de fundos.

“Esta é uma colaboração histórica para acelerar o desenvolvimento, produção e distribuição equitativa de vacinas, testes de diagnóstico e terapias para a covid-19”, frisou Ghebreyesus.

O presidente francês, Emmanuel Macron, considerou que a conjugação de vontades, que inclui os setores público e privado, é também “um tributo” a todos os investigadores que trabalham já em busca de uma vacina e uma cura e dos profissionais de saúde.

Macron afirmou acreditar que “não haverá divisões” entre países para tornar as vacinas acessíveis e que mesmo países como os Estados Unidos e a China se empenharão.

A chanceler alemã, Angela Merkel, manifestou o apoio do seu país a “todas as iniciativas políticas” que ajudem a juntar esforços para desenvolver vacinas e reunir todo o dinheiro necessário, frisando que é preciso “aumentar a capacidade de produção” para distribuir vacinas, testes e terapias por todo o mundo.

O chefe do governo de um dos países mais afetados pela covid-19, o espanhol Pedro Sanchez, afirmou o empenho do seu país em “evitar que aconteça em qualquer lado algo semelhante ao que aconteceu em Espanha”.

No documento de lançamento da iniciativa, frisa-se que “enquanto houver alguém em risco por causa do vírus, o mundo inteiro está em risco” e que “toda e qualquer pessoa no planeta precisa de ser protegida desta doença”.

Tedros Ghebreyesus afirmou que desde janeiro passado que a OMS está a trabalhar com “milhares de investigadores em todo o mundo para acelerar e acompanhar o desenvolvimento de vacinas”, bem como testes de diagnóstico que já estão a ser usados globalmente.

Os países e organizações aderentes — da Europa, Ásia, África e América Latina — comprometem-se a criar “um nível de parceria sem precedentes” e a falar com “uma voz forte e unificada”.

“Não se trata de ter autoridade individual para tomar decisões mas de resolver problemas em conjunto” para todos poderem beneficiar do conhecimento, refere-se ainda no documento divulgado hoje em Genebra pela agência das Nações Unidas para a saúde.

A nível global, segundo um balanço da AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 200 mil mortos e infetou mais de 2,7 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Mais de 720 mil doentes foram considerados curados.

Em Angola foram registados até ao momento 25 casos positivos de contaminação com a covid-19, dos quais resultarem em 2 mortes, 6 recuperados e 17 pacientes activos, com sintomas leveis e estáveis, que estão a ser acompanhados numa das unidades hospitalares de referência da capital.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.