Galp aprova distribuição de 318,2 milhões de euros em dividendos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Os acionistas da Galp, reunidos em assembleia-geral, aprovaram hoje a proposta de aplicação dos resultados de 2019, que prevê a distribuição de 318,2 milhões de euros em dividendos, após o anúncio da suspensão de atividades na refinaria de Sines.

De acordo com um comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários de Portugal (CMVM), os acionistas aprovaram os sete pontos previstos na assembleia-geral, entre os quais a proposta de aplicação de resultados do exercício de 2019, onde está incluída a distribuição de 318,2 milhões de euros, correspondente a cerca de 0,38 euros por ação.

Este montante acresce aos 262,3 milhões de euros, correspondente a cerca de 0,32 euros por ação, pagos a título de adiantamento sobre lucros do exercício em setembro de 2019, o que eleva para 580,5 milhões de euros o valor a distribuir pelos acionistas da Galp Energia, correspondente a 0,70 euros por ação.

Na assembleia-geral de hoje foram também aprovados o relatório de gestão, as contas individuais e consolidadas, a declaração de remunerações dos órgãos de administração, fiscalização e dos membros da assembleia-geral, bem como a autorização ao Conselho de Administração para a compra e venda de ações e obrigações próprias e de outros valores imobiliários próprios representativos de dívida.

O Estado angolano tem através da Sonangol tem uma participação indireta na Galp. A Sonangol controla 60% da Esperaza, com os restantes 40% a pertencerem a Isabel dos Santos. A Esperaza detém 45% do capital da Amorim Energia, holding que tem uma posição de 33,34% na petrolífera portuguesa. Indiretamente, o Estado angolano e Isabel dos Santos controlam 15% da Galp que lhes dá direito a dividendos na ordem de 47.730.000 de euros.

O Estado angolano como acionista maioritário da Esperaza, ficará com 28.638.000 de euros, enquanto Isabel dos Santos, acionista minoritária tem direito a 19.092.000 de euros. Contudo, a empresária angolana não poderá ter acesso ao dinheiro.

No cumprimento de uma carta rogatória emitida pela justiça angolana, o Tribunal de Relação de Lisboa decretou, a 13 de março, o arresto de todas contas bancárias e também de participações sociais de empresas portuguesas detidas por Isabel dos Santos.

Essa decisão do Tribunal da Relação de Lisboa provocou um volte-face na luta judicial entre o Estado angolano e a empresária Isabel dos Santos, aquém o Estado acusa de lhe ter causado danos económicos e financeiros na ordem de 1.1 mil milhões de euros.

Num comunicado distribuído à imprensa, no dia 15 do corrente mês, Isabel dos santos, através da Winterfll, uma das suas empresas que controla a Efacec, acusou a justiça angolana de provocar “danos injustificáveis” às empresas portuguesas e estar a usar indevidamente a justiça em Portugal para “fins não legais e desproporcionais”

As empresas Winterfell2 e Winterfell Industries, controladas por Isabel dos Santos e detentoras de mais de 60% do capital social da EPS SGPS “reagiram publicamente ao arresto das suas participações sociais na Efacec Power Solutions SGPS SA (“Efacec”), para expressar que tal pedido da justiça angolana é claramente abusivo e excessivo”.

Lusa/O Guardião

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.