Finanças suspendem contratos sem financiamento assegurado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A ministra das Finanças, Vera Daves, orientou esta terça-feira a suspensão da execução dos contratos, no âmbito do Programa de Investimento Público (PIP), cuja fonte de financiamento “não se encontre assegurada”.

A medida destina-se às unidades orçamentais e deverá durar enquanto vigorarem as acções transitórias de resposta à baixa do preço do Petróleo e o impacto da pandemia da Covid-19.

Numa circular a que a Angop teve acesso esta terça-feira, a ministra das Finanças suspendeu, igualmente, a execução dos contratos de carácter não prioritário e estrutural no âmbito das despesas de apoio ao desenvolvimento (DAD), sem financiamento garantido.

No documento, Vera Daves orienta às unidades orçamentais a reservarem os valores disponíveis na categoria “Bens e Serviços”, para o pagamento de contratos prioritários e essenciais no actual momento e a suspensão de “todos os outros”.

No quadro destas medidas, as unidades orçamentais devem comunicar aos seus fornecedores e concorrentes/candidatos a decisão da suspensão de contratos em execução e procedimentos em curso, fundamentando-se na baixa do preço do petróleo e ao impacto da pandemia da covid-19 nas finanças públicas.

Na mesma esteira, a circular orienta a elaborar e submeter ao Ministério das Finanças, até 30 de Abril, um Relatório sobre os contratos e projectos suspensos com os respectivos graus de execução física e financeira através dos seguintes e-mails: [email protected]/[email protected]

Indica que a “circular não se aplica aos contratos e procedimentos dos sectores da saúde, educação e acção social, bem como aos relativos ao abastecimento logístico, saneamento básico e outros cuja fonte de financiamento se encontre previamente assegurada”.

O documento refere que as dificuldades de interpretação e concretização da circular deverão ser aclaradas pelo Ministério das Finanças, por via do Serviço Nacional da Contratação Pública (SNCP).

As medidas transitórias de resposta à baixa do preço do petróleo e ao impacto da pandemia da covid-19, tem como base legal o Decreto Presidencial n.º 96/20, de 9 de Abril.

No âmbito da contratação pública, a declaração de estado de emergência, em decorrência da covid-19, constitui um caso de força maior, causando assim a cessação temporária das obrigações na execução dos contratos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.