Preço do barril de petróleo WTI cai pela primeira vez para valores abaixo de zero

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O preço do barril de petróleo no mercado de futuros caiu pela primeira vez na história abaixo de zero, entrando em território negativo, devido ao colapso da procura e à dificuldade de armazenar o crude.

O dramatismo da queda é ilustrado pelos valores: a cotação do barril de referência dos EUA, o West Texas Intermediate (WTI), para entrega em maio, estava em 35,20 dólares negativos, às 14:30 (19:30 de Luanda). Esta diferença é quase de 60 dólares em relação ao início do ano, antes de o confinamento das populações ter abalado o mundo e paralisado fábricas, escritórios e veículos automóveis.

Muita da queda hoje verificada é atribuível a razões técnicas — o período de negociação dos contratos para entrega de petróleo em maio está perto do seu fim, o que reduz o seu volume e pode exacerbar a variação da cotação.

Mas os preços para entregas para meses posteriores, que tiveram maiores volumes negociados, também caíram. Por um lado, a procura de petróleo colapsou e, por outro, as instalações de armazenagem do petróleo estão quase cheias.

Os depósitos podem atingir os seus limites dentro de três semanas, segundo Chris Midgley, analista-chefe da S&P Global Platts.

E os envolvidos nas transações (traders) estão dispostos a pagar a alguém que fique com este petróleo para entrega em maio e transferir este peso de procurar solução para o que fazer com ele.

Já o preço do barril WTI para entrega em junho, que apresenta um preço mais ‘normal’, caiu 16,5%, para 20,90 dólares por barril.

Os grandes produtores de petróleo têm anunciado cortes na produção, com a esperança de equilibrar melhor a oferta com a procura, mas muitos analistas dizem que não é suficiente.

“Basicamente, os ursos estão à procura de sangue”, comentou o analista Naeem Aslam, da Avatrade, num relatório.

“A acentuada queda no preço deve-se à falta de procura suficiente e à falta de capacidade de armazenagem, uma vez que os cortes na produção não conseguiram resolver o excesso da oferta”, especificou.

A Halliburton evoluiu na bolsa entre acentuados ganhos e perdas, mesmo depois de ter apresentado resultados no primeiro trimestre acima do esperado pelos analistas.

Os dirigentes deste grupo de engenharia petrolífera consideraram que a pandemia criou tanta perturbação que “não se pode estimar com razoabilidade” quanto tempo vai durar.

Para o conjunto do ano 2020, e em especial com referência aos EUA, a Halliburton espera uma descida em receitas e rentabilidade.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.