Operadores de transportes pedem “medidas sérias” para atenuar impactos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Operadores dos transportes em Angola defenderam hoje “medidas sérias”, sobretudo no domínio financeiro, para aliviar o impacto do novo coronavírus no setor, considerando primordial o “apoio à tesouraria” para “acautelar o encerramento de empresas e manutenção da empregabilidade”.

Para os operadores que falavam após um encontro para debater o impacto económico da covid-19 nas empresas do setor dos transportes, promovido pelo ministério de tutela, algumas medidas de alívio económico “não são viáveis”.

Segundo António Candeias, da Associação de Empresas de Comércio e Distribuição Moderna de Angola, um dos grandes problemas que as empresas têm neste momento é de tesouraria, referindo que “medidas sérias são precisas para se inverter a situação”.

“Tem que haver medidas sérias e de impacto no sentido de proteger as empresas a nível de capacidade de tesouraria, sob pena de assistirmos um conjunto de encerramento de empresas e despedimentos massivos”, disse.

O empresário entende que medidas de alívio económico definidas pelo Governo angolano, como o adiamento do pagamento das obrigações fiscais, “não são eficazes”, pois a solução passa pela “redução e não ao adiamento das obrigações”.

Porque, António Candeia assinalou: “Se estamos a adiar, estamos a adiar um problema e não a resolver”.

“A única medida quantificada e que temos conhecimento é a redução para o trabalhador de 03% da segurança social, veja quanto um trabalhador ganha e o que representa, os 3% é praticamente nada”, atirou.

Já o operador dos transportes rodoviários Jorge de Sá enalteceu o encontro promovido pelo Ministério dos Transportes, defendendo igualmente “forte apoio financeiro aos operadores do setor para não despedirem o pessoal”.

“É necessário manter os trabalhadores das empresas para salvaguarda do sustento das famílias”, apontou.

Angola cumpre hoje o décimo dia do segundo período de estado de emergência que decorre até 25 de abril, com vista a conter a propagação da covid-19.

O país regista já 24 casos positivos de infeção pelo novo coronavírus, nomeadamente 16 casos ativos, seis recuperados e dois óbitos.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 165 mil mortos e infetou quase 2,5 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 537 mil doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Os Estados Unidos da América são o país com mais mortos (40.683) e mais casos de infeção confirmados (cerca de 760 mil).

África regista um total de 1.119 mortos e um aumento de infeções de 21.096 para 22.275 registados em 52 países, segundo a última atualização do boletim do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC).

Entre os países africanos que têm o português como língua oficial, a Guiné Equatorial lidera em número de infeções (79), seguida de Cabo Verde (67 casos e uma morte), Guiné-Bissau (50) Moçambique (35), Angola (24 infetados e dois mortos) e São Tomé e Príncipe continua sem casos, após uma primeira identificação de quatro casos positivos que não foram confirmados na segunda análise.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.