África pode perder 150 milhões de empregos este ano – McKinsey

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A consultora McKinsey considerou hoje que a pandemia da covid-19 pode afetar mais de 100 milhões de empregos em África e que o continente, no cenário mais gravoso, pode enfrentar uma recessão de 4%

“No cenário 4, que prevê uma segunda vaga global da pandemia e uma propagação generalizada em África, o PIB do continente seria cortado em oito pontos percentuais, resultando numa taxa de crescimento negativa de 3,9%”, lê-se no relatório ‘Lidar com a Covid-19 em África’, consultado hoje pela Lusa.

No documento, que os analistas dizem ter sido solicitado pelos empresários africanos como um contributo para a gestão da pandemia, a McKinsey argumenta que “os governos, o setor privado e as instituições de desenvolvimento têm de duplicar a sua resolução e expandir significativamente os esforços para salvaguardar as economias e os meios de subsistência no continente”.

Num relatório recheado de previsões, os consultores estimam que o continente possa perder quase 150 milhões de empregos, mais de um terço dos 440 milhões de postos de trabalho formais e informais no continente, um valor que pode subir para mais de metade em setores como a manufatura, comércio, turismo e construção.

“Apesar de a pandemia ter sido lenta a arrancar em África, as consequências da doença têm dizimado as economias no continente”, escrevem os consultores, acrescentando que “o confinamento em muitos países limitou a atividade económica, ao passo que o corte nas cadeias de abastecimento deprimiu os preços das matérias-primas que muitos países exportam”.

No relatório, a McKinsey diz que o continente tem de gastar cerca de 5 mil milhões de dólares [4,5 mil milhões de euros] nos próximos 100 dias para custear a resposta médica devido ao frágil estado dos sistemas de saúde e alerta que “o continente tem apenas 20 mil camas em unidades de cuidados intensivos”.

Os cenários, entre uma queda de 0,4% e 8% do PIB da região, “não levam em linha de conta as depreciações da moeda, as pressões sobre a inflação ou eventuais cortes do ‘rating’”, mas dependendo do cenário, “as economias africanas podem perder entre 90 mil milhões e 200 mil milhões de dólares [entre 82,7 mil milhões de euros e 180 mil milhões de euros] este ano”.

Esta semana, o Fundo Monetário Internacional atualizou as previsões para a África subsaariana, antevendo uma quebra de 1,6% no PIB, a maior desde os anos 1970 e a primeira recessão em 25 anos.

O número de mortes provocadas pela covid-19 em África subiu para 961 nas últimas horas, com mais de 18 mil casos registados em 52 países, de acordo com a mais recente atualização dos dados da pandemia naquele continente.

Segundo o boletim do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), nas últimas 24 horas, o número de mortes registadas subiu de 910 para 961, enquanto as infeções aumentaram de 17.247 para 18.333.

O número de pacientes recuperados da infeção passou de 3.546 para 4.352.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.