Covid-19: Uso de máscara passa a ser obrigatório

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O uso de máscaras nas unidades sanitárias públicas e privadas passa a ser obrigatório para todos os técnicos de saúde e outros utentes que frequentam os hospitais, com vista a reduzir o risco de contágio e expansão do novo coronavírus (covid-19) no país.

De acordo com a directora nacional de saúde pública, Helga Freitas, todos os profissionais de saúde devem utilizar máscaras cirúrgicas (mais comuns), enquanto os técnicos vocacionados a atender eventuais casos suspeitos e positivos de covid-19 vão usar a máscara n95 (mais avançada).

Ambas as máscaras ajudam na prevenção de várias doenças respiratórias, quando usadas de forma correcta, principalmente para os profissionais de saúde e doentes com sintomas da covid-19 (tosse, infecção respitória e febre alta).    

Além dos técnicos de saúde, Helga Freitas encorajou também os cidadãos a usar máscaras convencionais ou de tecido feito a máquina ou a mão, fundamentalmente, quando estiver em locais expostos.

“O Ministério da Saúde (MINSA) lançou, quarta-feira última, uma ficha técnica para orientar os cidadãos a forma correcta do fabrico de máscara de tecido ou algodão, bem como o seu uso”, afirmou a directora, durante a habitual conferência de imprensa de actualização de dados sobre a evolução da pandemia covid-19.

Segundo o MINSA, baseando-se na experiência de outros países, o usso generalizado da máscara reduz em 25 por cento o risco de contágio da covid-19.

Porém, a directora nacional de saúde pública, lembrou que a utilização de máscaras por si só “não protege da transmissão da covid-19”, pois é necessário que se cumpra rigorosamente com outras medidas de prevenção, como o distanciamento social, a lavagem frequente das mãos com água e sabão e a desinfecção das superfícies com líxivia.

Sublinhou que todas essas medidas são válidas e devem ser cumpridas rigorosamente no dia-a-dia de cada cidadão, para reduzir o risco de transmissão do vírus e salvar vidas humanas.  

Até ao momento, Angola, que está há sete dias sem registo de casos positivos, já processou mil e 203 amostras, das quais 19 confirmadas positivas. Dos 19 cidadãos infectados com a covid-19, cinco estão recuperados, dois morreram e 12 são doentes activos.

Para se prevenir e combater o Covid-19, Angola observa, desde à 00h00 de sábado (11 de Abril), um novo período de Estado de Emergência, que deve vigorar até às 23h59 do dia 25 de Abril.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.