Covid-19: Associação angolana do ensino particular defende pagamento de propinas apesar da suspensão de aulas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A Associação Nacional do Ensino Particular (ANEP) angolana defendeu hoje o pagamento de propinas, apesar da suspensão das aulas devido à covid-19, considerando que os encarregados de educação são “financiadores do setor” e “garante dos salários dos professores”

Segundo o presidente da ANEP, António Pacavira, o decreto sobre o estado de emergência salvaguarda os empregos dos trabalhadores, incluindo os professores, considerando uma “medida humanista das autoridades”, sobretudo pós coronavírus.

Para o responsável, que falava hoje à Lusa, as medidas do Governo no quadro do estado de emergência que visa conter a propagação da covid-19, cuja segunda fase decorre até 25 de abril, também são extensivas aos funcionários do ensino particular.

Os primeiros 15 dias de estado de emergência, visando conter a propagação da covid-19, decorreram de 27 de março a 10 de abril.

“Existe uma relação de contrato de dez meses entre os encarregados e os colégios, são dois entes particulares, o Estado aqui aparece como regulador que orientou os ministérios das Finanças, da Educação e do Ensino Superior a trabalharem com os parceiros no sentido de encontrarem um equilíbrio”, disse António Pacavira.

Vários encarregados de educação reclamaram da cobrança de propinas nos meses de março e abril a nível do ensino particular, segundo o Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (Inadec) angolano.

Em comunicado enviado à Lusa, na terça-feira, o Inadec manifestava indignação pela postura das instituições do ensino privado, remetendo a resolução aos órgãos ministeriais.

No entanto, hoje, o líder da ANEP considerou que na abordagem sobre o assunto, os ministérios de tutela devem pautar-se por um “equilíbrio que mantenha os salários dos professores e o pagamento de impostos”.

“E, naturalmente, com esses encargos temos que ir buscar o dinheiro a algum sítio e nada melhor que ir buscar aos encarregados de educação que são os nossos financiadores”, sustentou.

António Pacavira assegurou ainda aos professores que a instituição que lidera “tudo está a fazer para manter os empregos” das mais de 40.000 pessoas que trabalham no setor.

A ministra da Educação angolana, Luísa Grilo, garantiu hoje, em declarações à rádio pública, que o Governo deve divulgar nos próximos dias recomendações sobre cobrança e pagamento de propinas no ensino privado.

Angola cumpre hoje o sexto dia da segunda fase do estado de emergência, contando com 19 casos positivos da covid-19, sendo 12 ativos, dois óbitos e cinco recuperados.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou quase 137 mil mortos e infetou mais de dois milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 450 mil doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa quatro mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.