Rússia classifica como “muito egoísta” a suspensão da contribuição dos EUA para OMS

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A Rússia classificou hoje como uma “abordagem muito egoísta” a decisão dos Estados Unidos (EUA) de suspender a sua contribuição financeira para a Organização Mundial da Saúde (OMS) em plena pandemia da covid-19.

“O anúncio feito ontem [terça-feira] por Washington da suspensão do financiamento da OMS é muito alarmante para nós. É a manifestação de uma abordagem muito egoísta das autoridades norte-americanas em relação ao que está a acontecer no mundo”, disse o vice-ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergei Riabkov, em declarações à agência de notícias pública TASS.

O representante russo reforçou que “este golpe” visando neste momento específico esta organização “é uma abordagem que merece ser denunciada e condenada”.

A porta-voz da diplomacia russa, Maria Zakharova, disse, por sua vez, que a decisão do Presidente norte-americano, Donald Trump, mostra que os EUA continuam a precisar de “acusar alguém”.

Donald Trump anunciou na terça-feira que vai suspender a contribuição financeira do país para a OMS, justificando a decisão com a “má gestão” da pandemia provocada pelo novo coronavírus.

“Ordeno a suspensão do financiamento para a Organização Mundial da Saúde enquanto estiver a ser conduzido um estudo para examinar o papel da OMS na má gestão e ocultação da disseminação do novo coronavírus”, disse o líder norte-americano.

Donald Trump, que falava aos jornalistas na Casa Branca, em Washington, referiu que os EUA contribuem com “400 a 500 milhões de dólares por ano” (entre 364 e 455 milhões de euros) para a OMS, em oposição aos cerca de 40 milhões de dólares (mais de 36 milhões de euros), ou “ainda menos”, que disse ser o investimento da China naquela organização.

A decisão norte-americana foi imediatamente criticada pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, que sublinhou que este “não é o momento de reduzir o financiamento das operações” da OMS “”ou de qualquer outra instituição humanitária que combata o vírus” SARS-CoV-2.

“A minha convicção é que a OMS deve ser apoiada por ser absolutamente essencial aos esforços do mundo para ganhar a guerra contra a covid-19″, salientou Guterres.

Mesmo antes do anúncio de Trump, o chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, já tinha denunciado, na terça-feira, “tentativas de politizar a questão do coronavírus”.

“Quem conhece a cronologia dos factos, as declarações e as decisões que a OMS tomou (sobre o assunto) ficará convencido de que a organização agiu eficazmente”, afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros russo.

A 06 de abril, a Rússia anunciou a atribuição de um milhão de dólares (cerca de 925 mil euros) à OMS no âmbito do combate global contra o novo coronavírus.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já provocou quase 127 mil mortos e infetou mais de dois milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a OMS a declarar uma situação de pandemia.

Os Estados Unidos são o país que regista atualmente o maior número de mortes, 25.757, e de casos de infeção pelo novo coronavírus, mais de 600 mil.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.