Rejeitadas propostas dos democratas e republicanos para acabar com o ‘shutdown’ nos EUA

Lusa

Partilhe

O Senado norte-americano reprovou hoje os planos concorrentes dos democratas e dos republicanos para terminar com o encerramento dos serviços do governo federal (o designado ‘shutdown’), que já dura há 35 dias, o mais longo de sempre.

A proposta democrata recebeu mais dois votos que o plano dos republicanos, o que enfraquece a posição do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Entre os republicanos registaram-se seis votos a favor dos democratas, entre eles do senador Mitt Romney, do Utah, em choque com Trump.

O senado rejeitou primeiro um plano republicano de reabertura do governo até setembro e que disponibilizasse os 5,7 mil milhões que Trump exige para construir o muro na fronteira com o México.

A votação desta proposta foi de 50-47, sendo rejeitada, uma vez que necessitava de 60 votos para ter sucesso.

Pouco depois os senadores votaram uma proposta democrata que pretendia abrir os serviços do governo até 08 de fevereiro, sem dinheiro para o muro. A proposta foi rejeita por 52-44, ficando oito votos abaixo dos 60 necessários.

O objetivo desta proposta era dar tempo de se chegar a um acordo, permitindo aos cerca de 800 mil trabalhadores receberem os seus ordenados, que estão a um dia de ficarem sem receber pelo segundo período de pagamento consecutivo.

O Governo norte-americano está em encerramento parcial devido à insistência do republicano Donald Trump em obter financiamento para a construção de um muro na fronteira com o México, o que tem a oposição dos democratas.

Cerca de 800 mil funcionários públicos não receberam salário, o que aumentou as ansiedades relativas ao pagamento de crédito imobiliário e outras contas, e metade deles nem está a trabalhar, o que provocou o encerramento de vários serviços governamentais.

Trump assegura que não reabre o governo enquanto não tiver o dinheiro para o muro.

Os democratas dizem que são a favor de medidas para reforçar a segurança fronteiriça, mas opõem-se ao muro.

Facebook Comments

Partilhe