ONU está “mais e mais alarmada” com situação em Beni, RDCongo

Lusa




Partilhar

As Nações Unidas estão “mais e mais alarmadas” com a situação em Beni, na República Democrática do Congo (RDCongo), cujo estado de insegurança ameaça a realização das eleições em várias regiões do país.

“Estou mais e mais alarmado com a situação em Beni nos últimos meses, onde continuamos a enfrentar grandes desafios para a implementação do nosso mandato”, disse a representante da Missão das Nações Unidas no Congo (Monusco, em francês), Leila Zerrougui, depois da reunião mensal do Conselho de Segurança sobre a RDCongo, na segunda-feira.

Localizada na província de Kivu-Norte, a cidade de Beni, com uma população estimada entre os 200.000 e os 300.000 habitantes, tem sido ameaçada pelos assassinatos conduzidos por grupos armados e pela epidemia do Ébola.

“A violência dos grupos armados nessas províncias pode afetar a colocação, em segurança, do material eleitoral e pode mesmo impedir que parte da população vote no dia das eleições”, alertou Zerrougui, citada pela agência France-Presse.

“Será muito importante que o Governo tome medidas nas próximas semanas para garantir a segurança das votações, em particular para garantir a participação das mulheres, que representam 50% dos eleitores inscritos”, acrescentou.

A representante da Monusco referiu ainda a região de Kasai está também a ser monitorizada, visto que é um dos principais destinos dos cidadãos congoleses expulsos de Angola.

“Depois do regresso forçado de emigrantes congoleses em Angola (…) é possível que as tensões étnicas abalem ceras zonas em Kasai”, sublinhou a responsável.

Leila Zerrougui lembrou que há vontade de todos em participar nas eleições, mas “a oposição reclama a diminuição do espaço político, incluindo a impossibilidade de realizar reuniões em todo o território e um acesso injusto aos media públicos”.

A uma semana do início da campanha eleitoral, o uso de urnas eletrónicas continua a dividir o país, com a maioria política a defender o seu uso, contrastando com a posição da oposição e da sociedade civil.

“Ainda é preciso haver progressos para criar um ambiente propício à realização de eleições credíveis”, disse a diplomata argelina.

Declarado em 01 de agosto nas regiões de Kivu do Norte e Ituri, o surto do vírus do Ébola terá sido responsável pela morte de 212 pessoas, segundo os últimos dados divulgados pelo Ministério da Saúde da RDCongo.

Comentários do Facebook

Partilhar
<script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script>
<ins class="adsbygoogle"
     style="display:block"
     data-ad-format="autorelaxed"
     data-ad-client="ca-pub-7513151535689663"
     data-ad-slot="7531535151"></ins>
<script>
     (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
</script>