PGR vai investigar alegações de Alvaro Sobrinho




Partilhar

O procurador-geral da República, Hélder Pitta Grós, admitiu ontem, no Lubango, em entrevista à TPA, a possibilidade de investigar as denúncias públicas feitas por Alvaro Sobrinho, ex-presidente da comissão executiva do extinto Banco Espírito Santo Angola (BESA), mas considerou ser “muito cedo para despoletar” um tal processo.

Hélder Pitta Grós fez estás declarações no final de uma visita de trabalho de dois dias à província da Huíla, deixando em aberto a possibilidade de investigar o caso depois de tomar contacto com mais elementos das alegações do empresário Álvaro Sobrinho à TPA. O procurador-geral da República afirmou que, neste momento, não há nenhuma investigação em curso sobre a falência do Banco Espírito Santo Angola.

A Procuradoria-Geral da República “não pode reagir de forma emocionada e muito menos por pressão, pois ainda não há registo de nenhuma denúncia formal sobre as revelações de Alvaro Sobrinho, segundo as quais, o banco faliu por decisão política dos accionistas”, sublinhou o magistrado.

Hélder Pitta Grós acrescentou que ainda não teve “contacto com mais nada, a não ser a informação veiculada pela imprensa”, sublinhando que “é ainda cedo para a Procuradoria se pronunciar”.

“Temos que ser mais contidos para que quando marcarmos, o passo seja certeiro”, declarou o procurador-geral da República, reputando como “importante e de extrema responsabilidade” o papel dos órgãos de Comunicação Social no tratamento destas matérias.

Comentários do Facebook

Partilhar
<script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script>
<ins class="adsbygoogle"
     style="display:block"
     data-ad-format="autorelaxed"
     data-ad-client="ca-pub-7513151535689663"
     data-ad-slot="7531535151"></ins>
<script>
     (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
</script>